sexta-feira, 30 de Setembro de 2005

Como começar um Tratado de Ética - Filosofia Política

"As reason tells us, all are born thus naturally equal, with an equal right to their persons, so also with an equal right to their preservation . . . and every man having a property in his own person, the labour of his body and the work of his hands are properly his own, to which no one has right but himself; it will therefore follow that when he removes anything out of the state that nature has provided and left it in, he has mixed his labour with it, and joined something to it that is his own, and thereby makes it his property. . . . Thus every man having a natural right to (or being proprietor of) his own person and his own actions and labour, which we call property, it certainly follows, that no man can have a right to the person or property of another: And if every man has a right to his person and property; he has also a right to defend them . . . and so has a right of punishing all insults upon his person and property." Rev. Elisha Williams (1744)



PART I: INTRODUCTION: NATURAL LAW

1. NATURAL LAW AND REASON


AMONG INTELLECTUALS WHO CONSIDER themselves "scientific," the phrase "the nature of man” apt to have the effect of a red flag on a bull. "Man has no nature!" is the modern rallying cry; and typical of the sentiment of political philosophers today was the assertion of a distinguished political theorist some years ago before a meeting of the American Political Science Association that "man's nature" is a purely theological concept that must be dismissed from any scientific discussion.[1]

In the controversy over man's nature, and over the broader and more controversial concept of "natural law," both sides have repeatedly proclaimed that natural law and theology are inextricably intertwined. As a result, many champions of natural law, in scientific or philosophic circles, have gravely weakened their case by implying that rational, philosophical methods alone cannot establish such law: that theological faith is necessary to maintain the concept. On the other hand, the opponents of natural law have gleefully agreed; since faith in the supernatural is deemed necessary to belief in natural law, the latter concept must be tossed out of scientific, secular discourse, and be consigned to the arcane sphere of the divine studies. In consequence, the idea of a natural law founded on reason and rational inquiry has been virtually lost.[2]

The believer in a rationally established natural law must, then, face the hostility of both camps: the one group sensing in this position an antagonism toward religion; and the other group suspecting that God and mysticism are being slipped in by the back door. To the first group, it must be said that they are reflecting an extreme Augustinian position which held that faith rather than reason was the only legitimate tool for investigating man's nature and man's proper ends. In short, in this fideist tradition, theology had completely displaced philosophy. [3]

The Thomist tradition, on the contrary, was precisely the opposite: vindicating the independence of philosophy from theology and proclaiming the ability of man's reason to understand and arrive at the laws, physical and ethical, of the natural order. If belief in a systematic order of natural laws open to discovery by man's reason is per se anti-religious, then anti-religious also were St. Thomas and the later Scholastics, as well as the devout Protestant jurist Hugo Grotius. The statement that there is an order of natural law, in short, leaves open the problem of whether or not God has created that order; and the assertion of the viability of man's reason to discover the natural order leaves open the question of whether or not that reason was given to man by God.

The assertion of an order of natural laws discoverable by reason is, by itself, neither pro- nor anti-religious.[4] The Ethics of Liberty, Murray N. Rothbard

Como começar um Tratado de Economia II

Chapter 1. Acting Man. 1. Purposeful Action and Animal Reaction

Human action is purposeful behavior. Or we may say: Action is will put into operation and transformed into an agency, is aiming at ends and goals, is the ego's meaningful response to stimuli and to the conditions of its environment, is a person's conscious adjustment to the state of the universe that determines his life. Such paraphrases may clarify the definition given and prevent possible misinterpretations. But the definition itself is adequate and does not need complement of commentary.

Conscious or purposeful behavior is in sharp contrast to unconscious behavior, i.e., the reflexes and the involuntary responses of the body's cells and nerves to stimuli. People are sometimes prepared to believe that the boundaries between conscious behavior and the involuntary reaction of the forces operating within man's body are more or less indefinite. This is correct only as far as it is sometimes not easy to establish whether concrete behavior is to be considered voluntary or involuntary. But the distinction between consciousness and unconsciousness is nonetheless sharp and can be clearly determined.

The unconscious behavior of the bodily organs and cells is for the acting ego no less a datum than any other fact of the external world. Acting man must take into account all that goes on within his own body as well as other data, e.g., the weather or the attitudes of his neighbors. There is, of course, a margin within which purposeful behavior has the power to neutralize the working of bodily factors. It is feasible within certain limits to get the body under control. Man can sometimes succeed through the power of his will in overcoming sickness, in compensating for the innate or acquired insufficiency of his physical constitution, or in suppressing reflexes. As far as this is possible, the field of purposeful action is extended. If a man abstains from controlling the involuntary reaction of cells and nerve centers, although he would be in a position to do so, his behavior is from our point of view purposeful.

The field of our science is human action, not the psychological [p. 12] events which result in an action. It is precisely this which distinguishes the general theory of human action, praxeology, from psychology. The theme of psychology is the internal events that result or can result in a definite action. The theme of praxeology is action as such. This also settles the relation of praxeology to the psychoanalytical concept of the subconscious." Human Action: A Treatise on Economics", Mises

Como começar um Tratado de Economia

1 FUNDAMENTALS OF HUMAN ACTION[1]

1.
The Concept of Action

The distinctive and crucial feature in the study of man is the concept of action. Human action is defined simply as purposeful behavior. It is therefore sharply distinguishable from those observed movements which, from the point of view of man, are not purposeful. These include all the observed movements of inorganic matter and those types of human behavior that are purely reflex, that are simply involuntary responses to certain stimuli. Human action, on the other hand, can be meaningfully interpreted by other men, for it is governed by a certain purpose that the actor has in view.[2] The purpose of a man’s act is his end; the desire to achieve this end is the man’s motive for instituting the action.

All human beings act by virtue of their existence and their nature as human beings.[3]We could not conceive of human beings who do not act purposefully, who have no ends in view that they desire and attempt to attain. Things that did not act, that did not behave purposefully, would no longer be classified as human.

It is this fundamental truth—this axiom of human action—that forms the key to our study. The entire realm of praxeology and its best developed subdivision, economics, is based on an analysis of the necessary logical implications of this concept.[4] The fact that men act by virtue of their being human is indisputable and incontrovertible. To assume the contrary would be an absurdity. The contrary—the absence of motivated behavior—would apply only to plants and inorganic matter.[5]

2. First Implications of the Concept

The first truth to be discovered about human action is that it can be undertaken only by individual “actors.” Only individuals have ends and can act to attain them. There are no such things as ends of or actions by “groups,” “collectives,” or “States,” which do not take place as actions by various specific individuals. “Societies” or “groups” have no independent exist­ence aside from the actions of their individual members. Thus, to say that “governments” act is merely a metaphor; actually, certain individuals are in a certain relationship with other in­dividuals and act in a way that they and the other individuals recognize as “governmental.”[6] The metaphor must not be taken to mean that the collective institution itself has any reality apart from the acts of various individuals. "

Man, Economy and The State by Murray N. Rothbard

A liberdade nos micro-proto-Estados

Finnish islands in internet secession

The tiny Finnish autonomous Aaland island group in the Baltic is to receive its own internet address country identification, ".ax" to replace the current use of Finland's ".fi", the government in Helsinki said today.The Internet Assigned Numbers Authority already recognises the ".ax" suffix, which will go into use in March next year, when the island's official website is free to change its address from www.ls.aland.fi to www.ls.aland.ax, it said.

The Aaland islands, located at the entrance of the Gulf of Bothnia between Sweden and Finland, count 26,530 mostly Swedish-speaking inhabitants and have been autonomous since 1920.

A status that the islands, which unlike Finland are not part of the European Union, have turned into an economic asset: One of the Aalands' main sources of income is duty-free stops by busy Baltic ferries cruising between countries along the Baltic rim.

PS: Na sempre saudável discussão sobre "Democracia e Liberalismo", cujo primeiro incómodo é a realidade de todas as "democracias liberais" serem de facto "sociais-democracias" nada liberais, deve entrar o factor ... dimensão.

A dimensão (geográfica e populacional) tem sido pouco evocada nesta reflexão, como se falar de uma macro-democracia seja igual a falarmos em micro-democracias, e por isso mesmo, muitos liberais, mais do que se preocuparem com a federalização nacional do seu país, gastam a sua energia em defender integrações políticas supra-nacionais a que chamam de Federalismo.

Descentralização Política e Privatização (de recursos e sectores da economia) e o caminho para o Liberalismo Clássico.

Dificilmente grandes reformas podem ser implementadas a nivel supra-nacional ou nacional no seio do centralismo democrático e partidocrático de todos os sistemas sociais-democratas modernos.

O caminho gradual de descentralização (autonomias locais sub-nacionais), faz sobressair as vantagens das comunidades menos estatistas.

quinta-feira, 29 de Setembro de 2005

Igualar as taxas

Usualmente, na lingua fiscal estatista, igualar significa aumentar a mais baixa ... e mais vale contar com isso. Por exemplo, o Governo prepara-se para igualar a taxa de retenção nos dividendos entre residentes e não-residentes. De certeza que alguém vai passar a pagar a mais.

Mas já agora, podia igualar a taxa de IRS, IRC e IVA, que resultaria numa taxa de IRS mais baixa e única, e uma forma de obrigar o sistema político a apresentar propostas de politica fiscal mais claras e simples.

Neste momento, 20% já não era nada mau, mas existem já países com taxas únicas de IRS/IRC/IVA mais baixas, e em outros existem propostas abertas para o implementar.

Totalitarismo democrático

Penhora automática de depósitos e acções começa em Outubro

PS: Conhecemos o argumento: quem não deve não teme. Mas no meio de tanta legislação sobre tantas obrigações fiscais, quem é que não é culpado de alguma coisa?

E depois, quem nos garante que das obrigações fiscais passamos às obrigações politicas, ambientais., educacionais, "hate-speech", e quem sabe a quer tiver essa mania subverssiva do anti-estatismo?

Ninguém nos garante, muito menos a constituição, porque são as constituições quem em última análise conferem a legitimidade totalitária ao Estado. Os optimistas constitucionalistas dizem que não...mas só têm de olhar para o grande exemplo do New Deal para observar como a grande constituição garante dos direitos individuais foi reinterpretada para acomodar tudo o que o sistema político federal necessitava e necessita para estender o seu braço legislativo.

quarta-feira, 28 de Setembro de 2005

Comentário encontrado algures na "NET"

"We are going to make sure that you're all taken care of. " - R. David Paulison, Acting Director of FEMA

Okay, now it's time to panic.


P

Lincoln

"Those who deny freedom to others, deserve it not for themselves; and, under a just God, can not long retain it".- Lincoln

Lendo no Insurgente uma citação de Lincoln, pareceu-me próprio recordar (especialmente quem acha uma grande obra impor a União pela forç, 700 000 mortos, a destruição de cidades/etc, a e de forma inconstitucional - supensão de Habeas Corpus, opositores na cadeia, serviço militar) que Lincoln, fazia grandes discursos mobilizadores cheios de oratória evocando "Deus", quando era ateu.

E já agora, todas as grandes figuras Sulistas (como Robert E Lee, e outros) eram, o que se pode chamar de, verdadeiros Cristãos.

E esta citação é bem sintomática da sua tradicional hipocrisia: Lincoln nunca foi abolicionista e existem várias citações públicas de Lincoln a roçar o racismo puro e simples (a proposta era enviá-los novamente par África - "Monroe" na Libéria, e nem mesmo nos primeiros tempos de Guerra entre Estados teve intenção de impôr o fim da escravatura aos Estados). Lincoln limitou-se a usar todas as "armas" ao seu dispor para justificar a imposição da União.

Somaliland II

* Reuters: Somali enclave pushes for nationhood with polls

HARGEISA, Sept 27 (Reuters) - The breakaway enclave of Somaliland holds parliamentary elections on Thursday, trying to to prove it is a model of democracy in lawless Somalia and worthy of nationhood.

But the relatively peaceful would-be state faces resistance from its African neighbours in its quest for recognition because of the continent's longtime preference for leaving old colonial borders intact to avoid encouraging secessionist movements.

The polls to elect 82 parliamentarians will be the former British Somaliland's third elections since declaring independence from Somalia in 1991, after local elections in 2002 and a presidential poll in 2003.

"Somaliland has fulfilled all the criteria for nationhood," President Dahir Rayale Kahin told reporters on Tuesday. "Now is the time for the international community to answer our request."

* Reuters: FACTBOX-Key facts about African territory Somaliland

Sept 27 (Reuters) - Somaliland, a former British protectorate and a semi-desert territory which broke away from Somalia in 1991, holds parliamentary elections on Sept. 29, its third democratic polls since seceding.

Here are some facts about the relatively stable democracy, which has not been internationally recognised:

AREA: With 137,600 sq. km. area, Somaliland is about the size of England and Wales. The Gulf of Aden is to the north, Somalia to the east, Ethiopia to the south and west and Djibouti to the northwest.

CAPITAL: Hargeisa

POPULATION: 3.5 million (Estimates of Somaliland government)

LANGUAGES: Somali, Arabic, English

RELIGION: Islam

ECONOMY: Despite having a thriving private sector, poverty and unemployment are widespread. The economy is highly dependent on remittances from its diaspora.
Livestock is the backbone of the economy. Embargoes on livestock exports, imposed by some Gulf countries, have seriously affected the economy. Duties collected at the port of Berbera, a trans-shipment centre used by landlocked Ethiopia, are a major source of revenue. Currency is Somaliland shilling.

GOVERNMENT: Legislative assembly is composed of an elected elders' chamber and a house of representatives. Head of the government is an elected president. The president nominates the cabinet, which is approved by the legislature.

Incumbent leader Dahir Rayale Kahin, from the ruling Unity of Democrats (UDUB) party, won Somaliland's first multi-party presidential elections in April 2003 with a slim majority. He was appointed in 2002 by Somaliland's council of elders, following the death of his predecessor Mohamed Ibrahim Egal.

MODERN HISTORY: Somaliland was independent for a few days in 1960, between the end of British colonial rule and its union with the former Italian colony of Somalia. In 1991, it declared independence after warlords overthrew Somali military dictator Mohamed Siad Barre. Somaliland voters overwhelmingly backed its self-declared independence in a May 2001 referendum.

Sources: Reuters, Unrepresented Nations and Peoples Organisation (wwww.unpo.org), BBC.
(Compiled by Editorial Reference Unit Researchers in Bangalore)

Leitura recomendada a anarquistas de todas as variantes


Lawlessness and Economics : Alternative Modes of Governance, de Avinash K. Dixit.

How can property rights be protected and contracts be enforced in countries where the rule of law is ineffective or absent? How can firms from advanced market economies do business in such circumstances? In Lawlessness and Economics, Avinash Dixit examines the theory of private institutions that transcend or supplement weak economic governance from the state.

In much of the world and through much of history, private mechanisms--such as long-term relationships, arbitration, social networks to disseminate information and norms to impose sanctions, and for-profit enforcement services--have grown up in place of formal, state-governed institutions. Even in countries with strong legal systems, many of these mechanisms continue under the shadow of the law. Numerous case studies and empirical investigations have demonstrated the variety, importance, and merits and drawbacks of such institutions.

This book builds on these studies and constructs a toolkit of theoretical models to analyze them. The models shed new conceptual light on the different modes of governance, and deepen our understanding of the interaction of the alternative institutions with each other and with the government's law. For example, one model explains the limit on the size of social networks and illuminates problems in the transition to more formal legal systems as economies grow beyond this limit. Other models explain why for-profit enforcement is inefficient. The models also help us understand why state law dovetails with some non-state institutions and collides with others. This can help less-developed countries and transition economies devise better processes for the introduction or reform of their formal legal systems.

Teoria e História



Uma leitura não particularmente leve mas fortemente recomendada, tanto a economistas e historiadores como a interessados pelas ciências sociais em geral: Theory and History: An Interpretation of Social and Economic Evolution, de Ludwig von Mises.

Theory and History is primarily a critique of Karl Marx, his materialism, and his prediction of the inevitability of socialism. Marx attributes the creation of tools and machines, as well as the economic structure of society, to undefined “material productive forces;” Mises rejects this materialistic view; he points out that tools and machines are actually created by individuals acting on the basis of non-materialistic ideas.

This book discusses the theory of economics, i.e., the study of purposive human action, and with history, the record of the past actions of individuals. All actions are determined by ideas. Thoughts and ideas are “real things,” Mises writes. “Although intangible and immaterial, they are factors in bringing about changes in the realm, of tangible and material things.” Rather than rejecting the study of historical change as a “useless pastime,” Mises considers it of the utmost practical importance. “History looks backward into the past, but the lesson it teaches concerns things to come.” History opens the mind to an understanding of human nature, increases wisdom, and distinguishes civilized man from the barbarian. Moreover, historical knowledge is of the utmost importance in helping to anticipate and plan for the future.

Though Theory and History may not be studied as often as other, more popular Mises works, it provides great insight into Mises’s fundamental thoughts and is a fascinating exploration of human action.


Post anteriormente publicado no Insurgente.

terça-feira, 27 de Setembro de 2005

Somaliland

Numa visita ao seu site (via Link graças a Miguel Madeira), uma pequena região da "Somália" que declarou independência:

"...the Somaliland Forum would like to remind the world community that sovereignty is vested in the people, and the people of Somaliland have already spoken by approving their constitution, with a majority of 97% vote in a referendum held in the Republic of Somaliland on May 31st 2001. Somaliland has built a peaceful democratic state since 1991 and it is in the best interests of the world community, in general, and the Horn of Africa, in particular, that the will of the people of Somaliland be heard and respected. To do otherwise will threaten the budding democracy in Somaliland and endanger the peace of the whole region."

Da sua Constituição:

" Article 5: Religion

1. Islam is the religion of the nation, and the promotion of any religion in the territory of Somaliland, other than Islam, is prohibited.
2. The laws of the nation shall be grounded on, and shall not be valid if they are contrary to Islamic Sharia.
3. The state shall promote religious tenets (religious affairs), and shall fulfil Sharia principles and discourage immoral acts and reprehensible behaviour."


Mas encontramos também:

* Article 11: The National Economy

1. The state shall lay down the national economic policy based on the principles of free enterprise and the joint working of private property, public property, the national wealth and foreign investment so as to realise the growth of productivity, the raising of the standard of living, the creation of jobs, and, in general, the advancement of the economy of the nation."


* "Article 31: The Right to Own Private Property

1. Every person shall have the right to own private property, provided that it is acquired lawfully.
2. Private property acquired lawfully shall not be expropriated except for reasons of public interest and provided that proper compensation is paid.
3. The law shall determine matters that are within the public interest, which may bring about the expropriation of private property."



Alguns comentários:

1. Um processo de Secessão realizado (ou pelo que parece ser) desta forma parece inatacável. Compreende-se que a "comunidade internacional" seja lenta a assumir novos "Status Quo" (esse é o jogo das nacionalidades onde exista quem perca - Kurdos ou Arabes da Palestina- ou ganhe - os Irlandeses ou Israel).

2. Um micro-Estado islâmico (mais um, desta vez um república, outras são pequenos Principados de Monarquia Absoluta (no sentido de reterem o poder executivo-legislativo), não tem qualquer incompatibilidade com uma economia de propriedade privada, e quase que me atrevo a dizer que como outros Principados islâmicos, terão uma carga de impostos muito menor que o "Ocidente Livre".

3. Um micro-Estado islâmico que parece rejeitar qualquer noção de terrorismo e fundamentalismo, mesmo que assuma que a religião oficial é o Islão e a lei da Sharia. Já tenho comentado (com insucesso) que um sistema legal que é baseado numa qualquer lei divina (tipo proto-teocratico) tem a vantagem de condicionar em muito as possibilidades totalitárias desse Estado, seja na Arábia Saudita seja no Irão. Pelo contrário, uma república secular comunista ou fascista (ou outra) não vê qualquer limite nas possiblidade de usar do processo legislativo para impor a sua autocracia (aliás como mesmo as democracias o fazem, assentes na partidocracia).

4. Talvez o melhor que podia acontecer a todo o mundo Islâmico era mesmo "partir-se" em todas as suas partes tribais, étnicas e religiosas. Ao contrário do que parece defender Victor Davis Hanson, para quem a defesa de um Status Quo saido de Versailles (todos os problemas modernos têm origem na Grande Guerra) e que inclui o desenho absurdo de Estados pela Inglaterra e França, que distribuiram entre si os despojos dos perdedores.

5. E quanto á questão (comento também diversas vezes que quanto mais pequeno é um Estado, mais ele se aproxima de um "convenant" ao qual podemos atribuir muita mais validade da existência de um contrato informal do que num qualquer macro-Estado) da "religião", o que tenho a dizer sobre isso? Não me incomoda o que quer que seja. Por mim, não me importava de viver num micro-Estado Cristão. Ou num Principado. Ou numa República comercial. O essencial é que exista respeito pela propriedade privada e livre contrato, a forma de Governo só tem é de funcionar.

6. Não deviam as Constituições, pergunto aos teóricos de tal ciência, de definirem qual o método e processo legitimo e pacifico de uma região poder reclamar autonomia ou secessão? É porque o último dos "checks and balances" de qualquer sistema político é mesmo a Secessão. Aparentemente, dada a forma como o sistema politico europeu pretendia referendar um processo de integração política, só serão necessários 51% para tal, e não os 97% que a "Somaliland" declara ter conseguido num referendo.

Every action is speculation

"In the real world acting man is faced with the fact that there are fellow men acting on their own behalf as he himself acts. The necessity to adjust his actions to other people's actions makes him a speculator for whom success and failure depend on his greater or lesser ability to understand the future. Every action is speculation. There is in the course of human events no stability and consequently no safety." Mises

segunda-feira, 26 de Setembro de 2005

Carla del Ponte

"Vaticano protege criminoso de guerra?

Lê-se, vê-se, ouve-se - e não se acredita!Carla del Ponte, a Procuradora-chefe do Tribunal Internacional Criminal para a Ex-Jugoslávia acusa a Igreja Católica e a hierarquia do Vaticano de não colaborarem na entrega do acusado de crimes de guerra e violações dos direitos humanos General Ante Gotovina, protegido num mosteiro franciscano algures na sua terra natal, a Croácia. País, cuja abertura de negociações de eventual adesão à UE está dependente da entrega daquele homem pelas suas autoridades ao Tribunal Internacional. " no Causa Nossa

PS: Lembram-se das histórias da Idade Média dos fugitivos de alguma coisa que se protegiam dos poderes dominantes escondendo-se numa Igreja? Não era isso uma fonte de equilibrio do poder instituido - do Rei, do Senhor local, do "Xerife" local?

Pois bem , quem é Católico não deve esquecer que o Estado, qualquer Estatismo (nacional ou internacional) embora o reivindique, não é o único "senhor" da terra.

Quanto a Carla del Ponte...que lidera as operações de internacionalismo humanitário (como diria a outra "with a guilhotine") que fabricou tantas ou mais acusações aos Sérvios (falou-se de 500 000 mortos, descobriram alguns milhares, próprios de uma guerra civil...imagino a vontade que os Ingleses tinham de intervir a favor do Sul na Guerra entre Estados Americana...mas não o fizeram, e no entanto morreram 700 000 nessa guerra, talvez a primeira das guerras modernas) do que Paul Wolfitz a Saddam, e que se tem dedicado a supervisionar uma operação de relações públicas para justificar uma intervenção contra...o Direito Internacional (não, não é porque a ONU não aprovou mas porque nenhum membro da NATO foi atacado e a Servia estava a defender a unidade do seu Estado contra...o terrorismo islâmico...). O resultado foi a destruição de centenas de Igrejas Ortodoxas das mais antigas do Cristianismo.

Agora na "Causa Nossa" nota-se a indignação! A juntar a tudo o que uma organização da sociedade civil, sem impostos nem politica e nem exercito, faz como desfeita a nova ordem politica da neutralidade amoral mas do intervencionismo moral, terá acolhido um perseguido dos "powers that be"!

Ainda por cima, o Vaticano alega que "não tem autoridade directa sobre bispos individualmente"...por acaso é mesmo essa descentralização operacional que explica a solidez da mais antiga e maior organização humana.

Principio da Subsidariedade

"Precisamos de um Estado que cumpra o princípio da subsidiariedade" no recente artigo publicado na Causa Liberal.

Concretizando, o que se pode fazer?

Aplicar o Principio da Subsidariedade às prestações (um imposto) da Segurança Social: Reduzir a um valor próximo de Salario Minimo, quer o subsídio de desemprego quer a pensão de reforma.

Isso permitira reduzir em muito a actual taxa para a Segurança Social, aumentado o salário líquido, e devolvendo à responsabilidade individual e da familia, o planeamento da segurança de rendimentos acima desse valor.

domingo, 25 de Setembro de 2005

Somália "anárquica" contra o terrorismo e fundamentalismo

Ah a ironia. E ainda dizia Victor Davis Hanson que o Iraque (e o resto do Médio Oriente?) o que precisa é de Estados nacionais fortes que impeçam a sua divisão interna. É particularmente notável a expressão usada (very anglo-saxonic i woud say) da expulsão de quem queira permanecer"without legitimate business". As histórias de como o negócio floresce em várias partes da Somália, sustentada por tradições tribais de respeito por direitos de propriedade exercidos em favor de "business" já à muito circulam. Mas ao que o maistream se agarra é o que se passa na capital - onde a tentativa de implantação de um Estado " formal" centralista e Islamico - é em si a culpa pelas escaramuças de onde depois o comentário é culpar o "estado de anarquia". Certamente uma qualquer forma de governo, mesmo que informal, é necessário - mesmo que por "governo" possamos entender um clima de amenização de conflitos entre vários grupos e um "status quo" de acalmia que acaba por propiciar o desenvolvimento da economia de produção anárquica que é o capitalismo (na expressão de Marx).

Outsiders, Islamic clerics told to leave Somaliland : "Somaliland, in northwestern Somalia, unilaterally declared independence from the rest of the country after the 1991 ouster of strongman Mohamed Siad Barre plunged the Horn of Africa nation into anarchy.

It is not internationally recognized but is seen widely as an island of relative stability in the lawless country which Western intelligence agencies fear has become a haven for Muslim extremist groups, including Al-Qaeda.(...)

Authorities in Somalia's breakaway region of Somaliland have warned outsiders, particularly Islamic clerics, without legitimate business there to leave immediately following the arrest of several alleged Al-Qaeda operatives.

In a crackdown ordered after the arrests of five suspected members of
Osama bin Laden network during a shootout with police on Friday, Interior Minister Ishmail Aden said non-Somalilanders illegally in the region would be deported.


"I have instructed the (Islamic) clerics from neighbouring Ethiopia and Somalia to leave the country if they do not have legal papers and are not genuine businessmen registered by relevant authorities," Aden said."

Irritante

Esta mania de criticar o poder local por não se gostar de meia-dúzia de candidatos que se atrevem a tomar conta das noticias nacionais - como se atrevem eles a disputar a atenção dos media distraindo-a da sua obrigação de cosmopolitanismo com as idiossincracias locais?

Existe quem se atreva a sugerir que tem demasiado poder, que o centralismo tem de desenhar um sistema que impeça tais veleidades...talvez um pouco de fascismo partidocrático? Mas...ainda mais que o actual?

Vêm agora dizer..., se tivessemos circulos uninominais tinhamos que os aturar como deputados! Mas é isso mesmo que é necessário...a medo do populismo local é o medo de quem faz tremer o status quo.

A justiça isto aquilo...ela só funciona mesmo mal quando se trata da política local...e que fazer dos casos nacionais...nem pedofilia nem fax de macau os abala! Sejam quais for os defeitos da justiça eles foram cunhados...no Estado Central...

Querem criticar Ponte de Lima pela defesa da sua terra contra a partidocracia? Devia defender o quê - o interesse "nacional"? Será que a economia de mercado funciona porque cada um defende o interesse "nacional" ou pior, da "humanidade"?

O que precisamos mesmo, é de um bom movimento por um federalismo português...um que restitua as boas liberdades antigas locais de que fala Alexandre Herculano e que são a origem da nossa nacionalidade. Uma coisa não deve ser esquecida - toda a receita do Estado tem origem local e não o contrário.

sábado, 24 de Setembro de 2005

Victor Davis Hanson

Vou aqui comentar passo a passo um "excelente" artigo de VDH.

1. "...pro-terrorist Sunni Triangle. "

Desde quando é que o terrorismo no Médio Oriente (primeiro palestiniano e depois a AlQaeda e afins) é Sunita iraquiano?

2. "But the existing problem in the Middle East stems from too much sectarian tribalism, not an excess of nationhood. How critical Iraqi resources would be split up, or how the peace would be kept by simply repackaging the problem, is never explained"

Como é que sabendo disso fazem uma invasão para mudar um regime secular dominado pela ânsia de enraizar uma identidade nacional extra-tribal-religioso?

Mas já agora, exactamente que problema do Médio Oriente é que é dominado pelo sectarismo tribal?

E porventura o "Ocidente" deseja uma União Pan-Arabe, coisa que muitos lideres árabes já sonharam e felizmente nunca conseguiram?

3. "A Sunni/Zarqawi state would be hyper-Wahhabist in the manner of the Shiite south becoming ultra-theocratic"

Talvez sim, talvez não. Os Sunitas não são wahhabistas e os Shiitas no sul são arabes apesar de tudo e não persas como no Irão. A ironia é que por exemplo os "extremistas" de Sadr opõem-se à influência iraniana e são a esses mesmo que se dedicam a destruir.

4. "India has far fewer problems from its own multimillion-person Muslim minority than from neighboring Islamic and nuclear Pakistan."

Isso quer dizer que os EUA e a Rússia deviam formar um único Estado-Nação Federal? Então o Paquistão devia ser parte integrante da Índia? Digam isso aos rapazes...


Talvez o velho (e injusto) dito que "ofereçam uma pistola a um alemão e ele começa a caminhar para França" seria evitável se de facto, tivessem desde sempre feito parte do mesmo Estado!

Mais ridiculo que isto...e que maior prova para sabermos que estes neocons nada têm contra o conceito de governo mundial desde que seja a sua Pax NeoCon. Eu percebo a lógica, como Estado uno ninguém se "nuke" a si mesmo.

5. "The dismemberment of Yugoslavia in retrospect does not seem such a good idea. We almost destroyed the United States in 1861-5, and would again if we ever carved out separate White, Hispanic, and African-American states. "

O desmembramento da "Yugoslavia" começou no seu nascimento, um Estado artificial para ajudar à destruição do Império Austro-Húngaro pela referência históricas NeoCon - o internacionalismo moralista de Woodrow Wilson que deu o século 20 à humanidade.

Mas pensando no assunto, afinal porque raio é que os NeoCons instigaram Clinton à intervenção contra os Sérvios quando estes tentavam impedir aquilo que hoje já parece inevitável - a divisão da Sérvia (Kosovo)? E porque hoje estão prontos a um conflito impensável com a China por causa do direito de secessão de "Taiwain"?

Ah mas a referência a "quase destruimos os Estados Unidos em 1861"...sempre soubemos que o que estava em causa era a preservação da União pela força.


Agora, quanto a "if we ever carved out separate White, Hispanic, and African-American states." Olhe que não sei...olhe que não sei...a Áustria era um Império Católico mas multi-étnico-religioso...e desapareceu, e ficou a Jugoslávia e esta também desapareceu...e a checo-eslováquia também. O que foi a Rùssia durante séculos também. No caso americano, o que acontecerá se aí vierem tempos turbulentos...

6. "Even an independent Kurdistan would not be for Iraqis only, but would soon draw in Turkish and Iranian Kurds as well"

Sim, as maravilhas deixadas por Churchill no Médio Oriente...

7. "The Romans’ old mantra of “divide and conquer” is also being raised."

Humm...agora temos o historiador imperialista que não aprende com a história d"O" Império.

E por acaso não são os pequenos Estados (de monarquia absoluta) os mais civilizados, desenvolvidos e sim, livres do mundo árabe?


PS: ainda algum espertinho me vai tentar convencer que no Egipto, com a vitória democrática do mesmo poder político , as pessoas são com que misticamente mais "livres" que digamos, no Dubai,

8. "For all the present and legitimate criticism of our war, Iraq and Afghanistan are about the only places in the Middle East where Muslims are seriously fighting terrorists every day — and that is only because they are slowly becoming constitutional"

Terroristas e combatentes de terroristas, fica-se confuso. Quanto a Constituições...o que vale (e como vai ser sustentável) um papel escrito enfiado na ponta da baioneta e usd de impostos, quando a Constituição Americana diz expressamente só o Congresso poder declarar guerra..."oh, never mind"...
Mas será que tudo irá correr mal? Não sei...até pode ser que corra bem...mas a que preço? E que eventos inesperados se tornaram mais prováveis que antes?

9. "We are still living down our earlier attempt during the Iran-Iraq War to play the two sides off each other while a million died. The legacy of that earlier cynicism was Iran-Contra, embarrassing feelers put out to Saddam that may have emboldened him later to take Kuwait, and general Arab distrust of American motives. Allowing Saddam to survive in 1991 (“to keep order”), and then letting him butcher rebellious Kurds and Shiites was a tragic mistake. In the 1980s giving a blank check in arms supplies to Islamists to stop the Soviet invasion of Afghanistan proved a wise short-term move — but a foolhardy long-term strategic gambit."

Estranho, notarei aqui um texto isolacionista pelo não-intervencionismo? Sim, o problema começa antes: nos anos 50 a CIA e os Ingleses depõem um Presidente Iraniano eleito porque este ameaçava nacionalizar a indústria de petróleo...(coisa que os Ingleses tinham feito à sua própria indústria!). Saddam quando sobe ao poder foi ajudado no esmagamento dos comunistas e mais tarde com a Revolução Iraniana torna-se mais útil ainda. Quando invade o Koweit, recordemos, o petróleo estava nos 10 usd, o Iraque já afundado em dívida externa, e existe...sim, existe...uma prévia consulta de Saddam ao embaixador americano no Koweit (cujas fronteiras e estatuto é disputado assim como as alegações de furos transversais foram irónicamente já repetidas pelo actual governo). No ínicio nem o próprio mundo árabe ligou muito ao assunto e o Rei da Jordânia já tinha começado a servir de elemento de negociação. O que depois sucede sabemos..Saddam o "novo Hitler" (e cruzes, ninguém quer ser "Chamberlain" que por "appeasement" se atreveu a concordar que a parte alemâ de um estado artificial saido de Versailles se tornasse alemâo - embora ter feito de Estaline um aliado e o vencedor da Segunda Grande Guerra parece não incomodar ninguém), descrições fictícias de atrocidade num infantário do Koweit (como foram as histórias de alemães a trespassarem bébés na Bélgica para Ingleses), e principalmente, a falta de conexões da indústria petrolifera iraquiana comparada com a do Koweit.

A justificação para deixar Saddam no poder em 1991 foi brilhantemente defendida por Bush-pai num paper célebre. Mas estranho é alegar que Saddam esmagou uma (instigada no fim do Golfo I) rebelião Shiita no sul e Kurda no Norte. Afinal, é pro-separatista ou será que os shiitas e kurdos tencionavam (e tencionam?) instituir uma pacifica Federação Suiça?

A menção a como ajuda ao "Afeganistão" contra os Russos teve as suas "unintended consequences" (Bin Laden) será um acto (freudiano) falhado?


...por falar nisso, a invasão "soviética" deu-se no meio (e por causa) de uma guerra civil e para conter o alastramento islâmico pelas repúblicas soviéticas dentro...é que pelo menos eram vizinhos...

10. "In short, divide and conquer simply embodies an updated version of the Cold War Realpolitik strategy of letting surrogates wear themselves out to our advantage. It is precisely that policy — however seductive to our own interests — that helped to bring us to our current dilemma. "

VDH não se apercebe que o actual dilema actual foi ele que o criou e que a Realpolitik da Guerra Fria (este mesmo problema - a Guerra Fria - foi herdado da mania pouco cristã e civilizada da Vitória Total à custa de quantas vidas civis tivessem sido necessárias, quando qualquer solução negociada teria sido melhor que o domínio comunista por 50 anos na Europa e da Ásia) conduziu o século 20 a um final feliz e pacifico.


Portanto, a que teria acrescentado uma Vitória Total em 1991? Por acaso não sabemos hoje - na verdade ja o sabiamos, mas hoje muitos são obrigados a reconhecê-lo contra sua vontade - que Saddam e o seu regime não ofereciam nem um "dinar" de perigo militar para quem quer fosse? Terrorismo não existia, nem influência do Irão, nem "perigo" (não sei se é perigo, pode bem ser o único caminho possível) de separatismo.

Como é que podemos estar a ouvir alguém que se justifica realçando os perigos daquilo que ele próprio criou? Porque o estatismo vive sempre dos seus próprios desastres.

11. " If we should now depart, things would insidiously revert back to the depressing pre-September 11 status quo — or worse yet. "

A depressão só a arranjamos depois de 11 de Setembro. Se Bin Laden tivesse sido apanhado com um pouco de paciência e operações especiais, podia-se ter o ganho o respeito do mundo árabe não-extremista. Isso e menos plantações de Ópio no Afeganistão.

Em vez disso, levamos com a depressão de vermos à direita chamar-se "fascista" aqui e ali, e à incitação à revolução (que lembremos, incluia o actual poder agora democrático do Egipto e a queda da monarquia na Arábia Saudita). Mais deprimente que isto não existe. Mas ainda pior, foi ver uma operação militar com base no maior conjunto de fabricações (ok, chamemos erros) securitárias desde que Hitler alegou legitima defesa contra a Polónia.

12. "Our current policy is not just correct because we are now wedded to it. In fact, it is a reaction to our past strategy of realpolitik coupled with appeasement. That strategy led us to 9/11 and a quarter century of terror originating in Iran in November 1979 — whether we define that history as cynical support for dictators, leaving after lobbing a few shells and bombs in Lebanon, Afghanistan, Somalia, or Iraq, or allowing wounded tyrants like Saddam to stay in power. "

My God, a palavra "appeasement" outra vez (e que tal "Blessed the peacemaker"?). E "Realpolitik" .... Portanto, é feita a critica ao "cynical support for dictators" (que por acaso acabou por estar na origem do anti-americanismo iraniano) e são 25 anos de terrorismo iraniano? Mas pensei que a AlQaeda era de origem Saudita...ou fala do enorme apoio à "causa" na Palestina ao ponto de quê?...fornecer suicidas para enfrentar tanques, "eliminações" de tetraplégicos com misseis teleguiados e F-16??

E esta coisa do "allowing wounded tyrants like Saddam"...isso quererá dizer que os regimes existem porque os EUA (ou a coligação, ou comunidade internacional, ou...Deus?) os deixam existir?

13. Afinal o que temos aqui? Um moralista critico de todo o intervencionismo passado a favor de ditadores? Muito do anti-americanismo é feito disso mesmo. Não é estranho? Depois o primeiro chama fascista aos regimes de que não gosta, e vemos os segundos a tecer grandes raciocinios próprios de conservadores sobre como não nos devemos meter na vida dos outros e como a ordem social de cada cultura deve ser respeitada.

Temos assim um militarista-moralista-optimista-revolucionário-anti-fascista-historiador-humanitário-intervencionista-nacionalista-internacionalista...mas é mais sucinto o "extremismo-ao centro".

Gostei desta, "The Middle East is a better place..." mas isso é só porque o resto do mundo está pior

Novo artigo no site da Causa Liberal

O Estado Garantia
Por Fernando Adão da Fonseca

(originalmente publicado na Nova Cidadania)

sexta-feira, 23 de Setembro de 2005

Nation Building by the International Community

Nato-controlled Afghan regions record huge increase in opium production: (...) Speaking in Brussels after meetings with EU and Nato officials, Mr Costa said: "It looks like the country is dedicating some of its best agricultural land to the cultivation of opium. Is it a coincidence or is it because they feel that they are less threatened by ISAF?"
A Nato spokesman said: "We are aware of the problem and reducing the cultivation of poppy will be an effort of the international community."

PS Eu conheço a comunidade da aldeia dos meus pais e avós, essa da Internacional é que não sei o que é. Será aquela que transforma qualquer conflito local e regional no mundo numa questão de princípio - como a que transformou um pequeno problema entre a Austria e a Servia na desgraça que foi o resto do século 20?

E um pouco de boa filosofia "austriaca" para o fim de semana

Audio: 22 Sep 05: Roderick Long - Apriorism and Positivism in the Social Sciences

Why i (CN) hate Neocons

Victor Davis Hanson: Let’s walk through Iraq. 09/23 8:13 a.m.
Michael Ledeen: What about Iran? 09/23 8:15 a.m.
James S. Robbins: Afghanistan voted this week. 09/23 8:15 a.m.

Why I (CN) Love America

Well well. After Katrina devastated New Orleans and Houston took in the lion's share of evacuees, now Rita threatens Bayou City, aka Houston, my adopted home town. On the radio yesterday I heard Chris Baker, a funny local talk show host, discussing conversations he has heard from homeowners who are loaded for bear in case the looters come--"Some of them are hoping for looters," he observed. (Via LRCBlog)

Reflexão sobre as "Noites à Direita"

Assisti ontem ao "Noites à Direita" no Teatro São Luiz, com António Mega Ferreira, Pedro Mexia e Rui Ramos. O projecto, como está anunciado desde o início ("Noites à Direita – Projecto Liberal"), despertou-me alguma desconfiança, por achar que os liberais não devem perder tempo com as noções de esquerda e de direita, que me parecem incompatíveis – e justapostas – às de liberalismo e iliberalismo. Julgo poder dizer que a noite de ontem confirmou as minhas suspeitas.

Dividir a política em esquerda e direita tem as consequências ontem observadas de ter o fascismo e o comunismo arrumados em campos antagónicos, tal como os liberais, para o efeito separados em "liberais de esquerda" e "liberais de direita". O absurdo foi parcialmente reconhecido pelos oradores, quando disseram que se identificavam mais com os "liberais" do outro lado do que com os "totalitários" do "seu" lado… Ora, o que se pergunta é: então, para que servem as designações de "esquerda" e "direita"?

Acabado de ler um livro de Richard Overy sobre o nazismo e o comunismo estalinista, no qual são patentes as suas enormes semelhanças e a comum rejeição radical do liberalismo, pergunto também: como é possível, perante isso, separá-los por uma linha divisória que divide também o liberalismo? E que semelhanças existem entre "liberais" e "totalitários" de esquerda? Ou "liberais" e "totalitários" de direita?

Os liberais, se o são realmente, deveriam estar preocupados em debater o liberalismo, não a "esquerda" e a "direita". Deveriam, por exemplo, aprofundar a proposta hayekiana de contrapor as tradições do iluminismo anglo-saxónico e do iluminismo continental. Nessa contraposição, muito mais fecunda, descobririam um método muito mais eficaz para clarificar a auto-reflexão de que o liberalismo está precisado. O caminho das "Noites à Direita" só enredará o liberalismo em caminhos que não são os seus.

Opiniões e Sugestões II

Why Immediate Withdrawal Makes Sense by Michael Schwartz and Tom Engelhardt

quinta-feira, 22 de Setembro de 2005

Histórias de Mises

Agora o meu passatempo favorito tem sido ouvir os arquivos audio de Murray N. Rothbard. Aconselho o Two Just Wars: 1776 and 1861 e Mises in One Lesson. Exposição sucinta, muitas vezes divertida, rodeado de pequenas histórias e comentários laterais. Por exemplo, Rothbard comenta que "naquela altura", em Viena (no seu auge, em que era praticamente o centro da produção intelectual, artistica, filosófica da europa e mundo) toda a gente tinha um café. Existiam cerca de 200 cafés, e existia o café dos psiquiatras (Freud/ect), dos músicos, dos economistas, etc. Como dizia ele, "devia ser optimo". (tudo isso desaparece com a tragédia da Grande Guerra e o fim dos Hapsburgs, o que provou uma tragédia para a Europa mergulhadano socialismo de esquerda e direita totalitária e depois a social-democracia).

Quando Mises chega aos EUA já Keynes tinha conseguido que os economistas pusessem de lado qualquer defesa da liberdade económica, mergulhados na sua justificação bem a jeito e pretensamente cientifica, pela indispensabilidade do fine-tuning económico, despesa pública, o incentivo ao consumo, e a necessidade dos economistas no Governo e Banco Central, marcando o inicio de uma longa amizade entre o economista e o politico (tipo: "eu digo às pessoas que tu és indispensável e tu dizes às pessoas que eu sou indispensável").

Mas como dizia..., Rothbard conta uma história tipicamente miseseana: Quando Mises tentou reeditar os seus famosos seminários privados de Viena nos EUA, para os poucos que se davam à quase inutilidade para o seu futuro no "mainstream" económico, de ouvir o "austriaco", alguns comentavam que se sentiam "esmagados" e "temerosos" a fazerem comentários perante tal gigante e com o medo de dizerem asneiras. Mises respondia que não deviam ter medo de dizer asneiras, porque por maior asneira que dissessem, com toda a certeza já um qualquer grande economista a teria dito antes.

The Voluntary Community

"(...) Capitalism does not just provide for the production and distribution of goods, but also for both the supportive and regulative institutions necessary for the system to flourish in, and the moral underpinnings of civil community. Capitalism, which places the consumer as supreme, regulates itself through incentives.(...)

Once humans begin interacting with one another, there is an immediate realization that there are certain common bonds amongst like-minded people. Amongst themselves, these people invariably will establish religion, clubs, civil communities, etc. Each in turn regulating the conduct of their members; thus, acting as further restraints on libertinism. (...)

It is important to note again that the smallest divisible sovereign entity is the individual human. The right to secession from the larger community is sacrosanct, both for the individual and for the entity to which it is a member. With this right also comes the responsibility to accept the consequences of secession such as the ostracism and outright boycott that entity might suffer from actions of the larger community. There should be no doubt on the influence suspension of both communal and trading bonds with a larger community can have on entities. These lawful noninvasive reactions by the larger community are acceptable; coercive activities backed by force are not acceptable.

The state in contrast to the voluntary community tends to politicize and polarize the community. Therefore, leading to the aggrandizement of centralized power in dispute settlement, the destruction of subsidiarity in the regulation of community activities and its substitution with state coercion through the threat of force. (...)

Every removal of subsidiarity from the regulation of the community, by the ever-expanding state, displaces the human being from that which grounded them in wholesome relationships.

This loss of wholesome relationships has unleashed the atomistic-individualism of libertinism.
Thus, the state is responsible for the degeneracy of today’s community.

The state has neutered the role that the voluntary community plays in the natural authority that regulates human action, and replaced it with the unnatural authority of the omnipotent state, its political shenanigans and relativistic moral center based upon pride, envy, gluttony, lust, anger, greed and sloth.

The irony of the entire experience is that in working towards the virtuous community through the mechanism of the state, the conservatives have in actuality, ensured the supremacy of libertinism." The Voluntary Community
by
Jonathan Liem

quarta-feira, 21 de Setembro de 2005

Que é feito dos nossos 33%?

Parece perguntar o excelente A verdadeira índole do Estado Social (post blasfemo com bolinha no canto superior do ecrã) no Blasfémias.

A pergunta devia ser endereçada à massa de trabalhadores, incluindo os emigrantes, grupo que diz o Estado Social, querer proteger mesmo ...que eles próprios não o queiram (e com toda a razão).

Querem pagar 33% do rendimento para terem "direito" a "subsídio de desemprego" (por falar nisso, o imposto da segurança social é neste contexto altamente progressivo para quem aufere rendimentos que resultam no tecto máximo para o subsídio) e jogar na lotaria da reforma estatista?

Ou...

Preferem um aumento imediato de 50% no seu Salário líquido?

E que tal conferirmos o mais democrática dos direitos: o de cada um responder livremente à pergunta?

O melhor do texto é por em evidência que a S.S. (cruzes!) deturpa a própria noção de civilização: deve ser a geração mais velha que com poupança acumulada (e que se materializa no capital adicional necessário para o aumento da produtividade e nivel de vida da geração seguinte) deve financiar as necessidades de investimento da geração mais nova (educação, a primeira casa, etc) - razão pelo qual a instituição da familia é necessária numa ordem natural, mas que a social-democracia destrói tornando o individuo apenas dependente e subserviente ao estatismo (libertando-o de responsabilidades e deveres com a sua comunidade familiar).

Os conservadores dignos desse nome devem perceber o quanto o estatismo tem destruido tudo aquilo que devia admirar. A Segurança Social e o intervencionismo nos contratos civis de testamento, são dois dos maiores factores para essa perda. Qualquer revolução conservadora deve eleger ambas instituições estatistas como seus inimigos.

O estatismo, claro, vive do próprio caos que cria - à medida que a sociedade civil se decompõem (a desagregação da familia e noção de comunidade local), vêm reclamar os planeadores, que é função do Estado intervir para assegurar coercivamente aquilo que compete a cada familia e comunidade cuidar.

Ordem civil pós-Katrina

Um pouco farto de ouvir dos socialista coisas como "o liberalismo dá-se mal com desastre" ou pelos meus colegas "Os desastres provam a necessidade de um Estado minimo" e depois de assistirmos às imagens de mau comportamento por parte da população (a que vive da assistência social?), e mães rodeadas de filhos (de vários pais?) na rua sem sombra de uma presença de um (dos?) pai, algum ânimo nos chega, a favor de sociedade civil:

Yahoo news (via LRCBlog) "(..) After the storm, the neighborhood association had to act as law enforcement and emergency response unit as city services collapsed and the police force was unable to protect them.

Citizens organized armed patrols and checked on the elderly. They slept on their porches with loaded shotguns and bolted awake when intruders stumbled on the aluminum cans they had scattered on the sidewalk.

Gunshots rang out for days, sometimes terrifyingly close. (...) "A police car drove up behind me and saw it happening but he didn't do anything," said Pervel, who heads the 1,500-household neighborhood association.

Then residents heard that police vehicles were being carjacked and looters were taking guns and ammunition from nearby stores.

"We thought, 'Perhaps this is going to get really ugly,"' said Gareth Stubbs, a marine surveyor who lives across Pelican Street from Harris and Pervel.

A Texas woman who runs a Web site called Polimom.com served as a link between those who stayed and those who had left. With her help, they stockpiled an arsenal of shotguns, derringer pistols and an old AK-47. They were put to use the next day.

"Some looters came up and pulled a gun on the wrong group of men," said Harris, who said he did not fire a gun himself and declined to say who else was involved in the battle.

"Two men were shot right there," Harris said, pointing down the street as he watered his rose bushes. "One was shot in the back, the other in the leg, and the third I was told made it a block and a half before he died in the street. I did not go down to see the body."

The next day a nearby stockpile of chemicals exploded, shaking the houses and sending a fireball 300 feet into the sky. The fire burned for another three days, Harris said.

"For five days we didn't need FEMA, the Red Cross or the National Guard," Harris said. "The neighborhood took care of itself."

Opiniões e Sugestões

Pede Bernardo Pires de Lima no Ocidental, sobre o Iraque.

Aqui vai: retirada pura e simples.

O que acontecer depois não é da "nossa" (Ocidente) conta (já a invasão do Koweit não era). A "nossa" (Ocidente) presença lá, parece não contribuir nem para reduzir o terrorismo (pelo contrário) nem diminuir o preço do petróleo (pelo contrário). Nem devemos deixar a ONU conceber qualquer programa de ajuda em massa de reconstrução ou de sustentação artificial de qualquer regime (tal como no Afeganistão).

Quanto mais adiada for a retirada mais "unintended consequences" nos arriscamos a vir a colher mais tarde, se bem que, ter destruido um regime secular e até tolerante em termos comparativos com o cristianismo, e enfranquecido a influência Sunita, parece ter colocado o Estado num caminho irremediável de separação-secessão pré-anunciada. Ou talvez não. Quem sabe e depois... who cares?

Para além disso, os ideológos neo-napoleónicos da intervenção militar como instrumento revolucionário e iluminista de novas ordens, provavelmente irão aproveitar todo e qualquer incidente menor com os vizinhos para subir a parada. Por exemplo, reclamar que a Siria não faz nada para impedir a entrada (ou será saida?) de umas centenas de combatentes voluntários quando os EUA não conseguem fazer parar a entrada ilegal pela sua fronteira de centenas de milhares de mexicanos todos os anos.

Uma coisa é certa, tanta preocupação pela revolução democrática e bem estar islâmico não parece muito conservador, e estes devem ter uma especial sensibilidade pelas consequências de um império (falemos do Ocidente) que pensa poder assumir e carregar os males do mundo.

Enquanto nos distraimos no meio da areia por causa de um liquido preto e levar as maravilhas e defeitos do centralismo democrático (que históricamente apenas levaram à social-democracia), a mudança de polaridade da civilização para a Ásia continua. Uma guerra ou crise política e económica a mais (sistema monetário e estado social) e a civilização cristã (desaparecida no meio dos fluxos demográficos, contracepção, aborto, familia monoparental, livre emigração, etc) vai ser encontrada como uma curiosidade num qualquer texto de história daqui por uns séculos.

Democracia e Liberalismo

* Ludwig von Mises: "There is really no essential difference between the unlimited power of the democratic state and the unlimited power of the autocrat."

terça-feira, 20 de Setembro de 2005

Robert Nisbet - o Liberal Comunitarista

Robert Nisbet (que com Russel Kirk, podem ser considerados dois dos últimos pensadores conservadores tradicionais americanos e estranhos, para não dizer, antagónicos do "neo-conservantism") insistiu na ideia que o Estado Moderno fomenta o Individualismo porque para se impor necessita destruir todas as soberanias intermédias da sociedade civil.

Quem hoje, mesmo no campo liberal, não considera que o Estado é "A" autoridade com legitimidade absoluta, para o bem e para o mal? Na verdade, é frequente os Liberais reclamarem que exista um "Estado de Direito" que não permita desautorizações de espécie alguma - lembro-me até de um certo protesto or alegadas tentativas da Igreja Católica em Espanha ter apelado a que os notários recusassem a registar casamento homosexuais - ou seja, intolerável afronta ao Estado!

Pelo contrário, Nisbet, considera que a liberdade só existe enquanto as instituições da familia, comunidade, igreja, associações, detêm auto-soberania de facto. E por isso é admirador dos aspectos positivos que tinham a ordem social e política na Idade Média: uma ordem social onde concorrem várias soberanias e fontes de direito, e um poder político ultra-descentralizado, localista, onde o poder do Rei era na verdade quase ausente.

É o Estado que, para se impor, necessita de destruir todas as formas concorrentes de poder, "libertando o individuo" da qualquer dever para com a sociedade civil e as suas hierarquias naturais (dai, o absolutismo do Estado - com inicio na Revolução Francesa mas hoje intocável - em regular os testamentos, obrigando à distribuição da propriedade, conseguindo com isso destruir a coesão de uma familia à volta de uma propriedade, e com isso, destruir o comunitarismo local à volta de familias e propriedades estáveis).

O individuo, todos os direitos e garantias deve ao Estado e por isso ao indivíduo o Estado reclama soberania que passa por cima da familia e diversas instituições sociais. A educação é papel do Estado (mesmo sendo privada é exercida sob forte absolutismo programático), a acumulação de poupança para a velhice é função do Estado, a Saúde, falta pouco para as familias terem regras rigidas sobre alimentação, etc. Em questões morais então, é no Estado que o adolescente vê o seu libertador - um poder "neutral" que retira à familia e comunidade qualquer veleidade de soberania. E Lei é Estado e Estado é Lei.

"Nisbet defined totalitarianism in the same way that Hannah Arendt did in The Origins of Totalitarianism: a society in which there is no intervening authority between the state and the citizen.(...)

But there was one major aspect of Nisbet's social philosophy, not easily visible in his published works in the late 1960's, that separated him from both the Buckley-era National Review brand of conservatism and the post-1965 neoconservatives. Nisbet hated – no other word will suffice – the military-industrial complex. He saw war, from the Pelopponesian war to Vietnam, as the primary means of extending state power, which always involves the uprooting or even destruction of traditional loyalties and institutions. (...)

Nisbet adopted a functional pluralism. He believed that intermediate institutions are indispensable for the maintenance of civil liberty: church, state, family, kinship groups. Without these, the state becomes tyrannical. The unitary state must not be trusted. This is why he detested Rousseau's vision.

Nisbet was a self-conscious heir of Edmund Burke. He was skeptical of pieces of paper called constitutions whenever those pieces of paper are not matched by strong, local, voluntary institutions that are outside the jurisdiction of politics.

Nisbet understood the role of judicial sovereignty in social theory, (..) in The Quest for Community. The central conservative principle is this: the sovereignty of social units other than the individual. He writes:

For much of history, communities – not individuals – were irreducible units of society. In the Middle Ages, for example, honors, privileges, immunities, and freedoms attached to communities, not to individuals. One's identity and status depended upon one's communal membership: "Whether we are dealing with the family, the village, or the guild, we are in the presence of systems of authority and allegiance which were widely held to precede the individual in both origin and right." For example, "As many an institutional historian has discovered, medieval economy and law are simply unintelligible if we try to proceed from modern conceptions of individualism and contract. The group was primary" (QC, 81).

The patriarchal and corporate family "was a fixed institutional system within which innumerable, indispensable functions were performed." Taxes were levied and honors bestowed on the family, not the individual. "In corporate solidarity lay the ground for almost all decisions affecting the individual – his occupation, welfare, marriage and the rearing of children." [Stone, pp. 19-20]" Robert Nisbet: Conservative Sociologist by Gary North

segunda-feira, 19 de Setembro de 2005

Estagflação uber alles


As eleições de ontem na Alemanha tornaram evidente que a "locomotiva" da União Europeia está irremediavelmente a perder o vapor… Os Alemães rejeitaram encarar de frente os problemas do seu estado social, o que só seria possível com uma coligação CDU/CSU e FDP. O espectáculo terceiro mundista de todos a reclamarem vitória ficará como um género de ponto de não regresso do declínio da Alemanha que se ergueu das cinzas do III Reich. Ingovernável, com uma esquerda radical em ascensão e sem vontade de pôr em causa um modelo social a médio prazo arruinante, a Alemanha está a tornar-se uma forte candidata a breve defensora de políticas monetárias irresponsáveis na Zona Euro, como modo de iludir as crescentes dificuldades orçamentais e a fuga às soluções "ortodoxas".

Neste contexto, e uma vez que há bom senso aparente no SPD de evitar uma coligação marcadamente de esquerda SPD-Verdes-Linke, uma "grande coligação" CDU-SPD é desaconselhável porque deixaria quase tudo como está e alimentaria a esquerda radical na oposição. A "grande coligação" seria a transposição para a Alemanha do antigo modelo austríaco de partilha do poder em nome do situacionismo. A solução melhor, até para a CDU/CSU se poder vir a apresentar como alternativa, será o FDP integrar a actual coligação no poder (SPD-Verdes), forçando a correcção de algumas políticas internas no sentido do Mercado e, provavelmente, retirando aos Verdes a pasta dos negócios estrangeiros. Trata-se da "coligação do semáforo" (SPD vermelho+FDP amarelo+Verdes), como por lá se diz nos últimos tempos. Não é bom, mas é capaz de ser o menos mau nas actuais circunstâncias.

sexta-feira, 16 de Setembro de 2005

Ainda

Laboratory did not reveal absence of ricin in plot cited by Blair

Vital evidence in a terror case that was used by Tony Blair to justify the war with Iraq was withheld by Britain's top chemical weapons laboratory.

Tests demonstrating that no ricin was found at a flat linked to a gang suspected of planning a poison attack on the London Underground in January 2003 were not disclosed to police and ministers by officials at Porton Down.

The case, in which the suspects were later cleared, was cited by the Prime Minister and Colin Powell, the US Secretary of State, in the weeks leading up to the decision to go to war with Iraq.
A spokeswoman for the Defence Science and Technological Laboratory (DSTL), where the tests were done, said yesterday that officials at the establishment knew the results of the final tests three weeks after police had raided the flat in Wood Green, north London, on 5 January 2003. But she said that because of a "breakdown in communication" this information was not passed to the police for another 51 days.


On 3 February 2003 Tony Blair told the House of Commons that the "ricin terror plot" was "powerful evidence of the continuing terrorist threat". Two days later Colin Powell used the ricin evidence in a speech to the UN Security Council in which he warned of the danger of terror cells spreading from Iraq to Britain.

Destaque: Sobre o cisma liberal

A ler na totalidade (via Strike-the-Root)

Vienna and Chicago: Friends or Foes? Tale of Two Schools of Free-Market Economics
by Mark Skousen


Anyone who has ever attended a Mont Pelerin Society meeting will quickly attest that this international group of freedom- fighters are divided into two camps: followers of the Austrian school and followers of the Chicago school. I say "divided" guardedly because these two camps undoubtedly have more in common than disagreement. In general, they are devout believers in free markets and free minds. Yet they seem to relish the rivalry that exists regarding fundamental issues of methodology, money, business cycles, government policy, and even who are the great economists.(...)

Israel Kirzner rightly concludes, "It is important not to exaggerate the differences between the two streams... there is an almost surprising coincidence between their views on most important policy questions... both have basically the same sound understanding of how a market operates, and this is responsible for the healthy respect which both approaches share in common for its achievements" (Kirzner 1967:102).(...)

Yet with so much to celebrate, where do they disagree?

Surprisingly, on quite a few points. While they may be considered followers of Adam Smith's invisible hand of laissez faire, the descendants are divided into two wings of free-market economics.

The Austrians and the Chicagoans differ in four broad categories:

First, methodology.

The Austrians, following the writings of Ludwig von Mises, favor a deductive, subjective, qualitative, and market-process approach to economic analysis.

The Chicagoans, following the works of Milton Friedman, prefer historical, quantitative, and equilibrating analysis. Friedman and his followers demand empirical testing of theories and, if the results contradict the theory, the theory is rejected or reformed. Mises denies this historical approach in favor of extreme apriorism. According to Mises as well as his disciples Murray Rothbard and Israel Kirzner, economics should be built upon self-evident axioms, and history (empirical data) cannot prove or disprove any theory, only illustrate it, and even then with some suspicion.

Second, the proper role of government in a market economy. How pervasive are externalities, public goods, monopoly, imperfect competition, and macroeconomic stability in the market economy, and what how much government is necessary to handle "market failure"?

The Austrians have consistently supported laissez faire policies while the Chicago school has shifted gears over the years. (One might say that both are "anti-statist" but the Austrians are more "anti-statist.") Is Adam Smith's system of natural liberty sufficiently strong to break up monopolies through powerful competitors, or is government necessary to impose antitrust policies when appropriate? The Austrians have always favored a naturalist, non-interventionist approach. On the other hand, the first Chicago school, led by Henry Simons, took a strong interventionist view, favoring the break-up of large utilities and other natural monopolies. The second generation at Chicago, led by George Stigler, initially supported Simons' interventionism, but ultimately reversed course in favor of a Smithian belief in the power of competition and non-interventionism.

According to Israel Kirzner, Peter Boettke and other Austrians, the difference between the two schools is even more fundamental: the Chicago school employs an "equilibrium always" pure competition model (what Chicago economists call an "as if" competition model) that assumes costless perfect information and the Austrians employ a more dynamic "disequilibrium" process model of market capitalism that takes into account institutions and decentralized decision making (Kirzner 1997, Boettke 1997). The debate over the most appropriate competitive model also spills over into issues of political economy, public choice, law and economics, and the efficiency of democracy.

Third, sound money. What is the ideal monetary standard? Both schools favor a stable monetary system, but they differ markedly on the means. Most Austrians prefer a gold standard, or more generally, a naturally-based commodity standard created by the marketplace. Some go further and demand "free banking," a competitive system whereby private banks issue their own currency, checking accounts and credit services with a minimum of government regulation. The Chicago school, on the other hand, rejects the gold standard in favor of an irredeemable money system, where the money supply increases at a steady or neutral rate (the monetarist rule). Both ideally desire 100% reserves on demand deposits as a stabilizing mechanism, though here again, there is a difference—the Austrians want demand deposits backed by gold or other suitable commodity, the Chicagoans by fiat money.

Fourth, the business cycle, capital theory, and macroeconomics. Mises and Hayek developed the "Austrian" theory of the business cycle, maintaining that expanding the fiat money supply and artificially lowering interest rates create an unsustainable, unstable boom that must eventually collapse. Friedman and his colleagues reject most aspects of the Mises- Hayek theory of the business cycle in favor of an aggregate monetary model. The Chicagoans praise Hayek's political theory in The Road to Serfdom and The Constitution of Liberty, but they reject much of his capital theory and Austrian macroeconomics. (Thus, they took issue with me after my speech in 1994.) Friedman contends that a steady increase in the money supply equal to the average economic growth rate will provide a sustainable non-inflationary environment for the economy. But the Austrians dissent and maintain that a given rate of monetary inflation is never sustainable, whatever the level. Many Austrians also deny the validity of "macroeconomics" and aggregation (such as national statistics or price indexes) as useful pedagogical tools. Austrians and Chicagoans argue over the cause and cure of the Great Depression of the 1930s, what level of aggregation is appropriate in macroeconomic model building, and even disagree at times on their views of Keynes and Keynesianians, Adam Smith and classical economists, and other schools of thought. They even differ on their goals and how far they should reach out to influence the intellectual community and the public.(...)

Where do I stand on the great issues dividing the Austrians and the Chicagoans? Perhaps a story will best illustrate. When I became president of the Foundation of Economic Education in 2001, I had an interesting encounter at my first board meeting. After the meeting, Bettina Greaves, a long time FEE employee and devoted Misesian, approached me privately and said, "I support you in every way as the new president of FEE, but may I make a suggestion? You need to be more critical of Milton Friedman!" I nodded my head and thanked her for her support. Then, no less than half hour later, Muso Ayau, past president of the Mont Pelerin Society and founder of the Universidad Francisco Maroquin in Guatemala, pulled me aside to give me some advice as the new president. He whispered in my ear, "I support you in every way as the new president of FEE, but could you do me a favor? Please stop being so critical of Milton Friedman!"(...)

Ouro

1. A subida de preços é um indicador falivel para análise do problema económico que surge com o controlo estatista da função monetária.

2. O Ouro tem um valor intrinseco muito elevado, enquanto que o papel-moeda-por-decreto não tem absolutamente nenhum.

Em que confia mais, em Ouro ou numa maquina de tirar fotocópias? Vamos comparar:
Ouro: finito, a sua produção ronda os 2% anuais, divisivel e estável, não é passivel de deflação monetária.

Papel: Quantidade ilimitada, a sua produção depende da boa vontade e estabilidade do sistema politico, o seu crescimento alimenta a ilusão do investimento sustentável, passivel de hiper-deflação-inflação até o seu colapso.

3. A sua condição de "moeda natural" advém de ser o único elemento no planeto cujo rácio de stock existente para a sua produção garante por si só estabilidade. O seguinte é prata, mas já a grande distância. Esta relação é a inversa na produção digamos de trigo: o stock existente em armazém a cada momento é muito mais pequeno que a sua produção periódica, por isso, é impróprio para ser escolhido como moeda. O ouro está no extremo oposto e não existe o que se lhe compare.

4. O serviço que a "moeda" presta é permitir a troca numa economia de divisão de trabalho.

5. A queda do Ouro abaixo dos 450 Usd iniciou-se com o venda de Ouro por parte dos Bancos Centrais, e que irónicamente não percebem que estão precisamente a criar condições para o seu provável fim. Enquanto os BC detinham 66% de todo o Ouro (historicamente grande parte dele conseguido pela extorsão praticada em larga escala por todos os Estados ao renunciar unilateralmente ao contrato civil de honrar a troca das notas e depósitos, pelo equivalente fisico em Ouro...sabem como é...quem mata um é assassino...quem mata milhões é um respeitável homem de Estado) este não conseguia retomar a sua função, tarefa dificil se tivermos em conta que o Estado comanda que nós, pobre população, tenhamos que usar esse pobre conceito virtual.
Mas como agora, devido às vendas, a percentagem atinge os 33% (e esta redução explica também a queda da sua cotação - o quasi-monopólio pelo vendedor), pode o Ouro começar o seu trabalho de minar o sistema monetário estatista, fazendo-lhe concorrência.

6. Como já disse, Greenspan é culpado de iludir liberais ao mesmo tempo que com isso, coloca qualquer economista que defenda o que a civilização livremente conheceu até à Grande Guerra - uma moeda única mundial que no início do século 20 tinha colocado o nivel de comercio internacional num patamar só atingido nos finais dos anos 80 - como uma espécie meio exótica, fora da pose séria de economistas sérios cujo ambição é irem para um Banco Central tomarem conta de uma máquina de fotocópias.

Greenspan, o grande mágico

Via Insurgente: Greenspan, the greatest central banker ever

LT proclama "Na minha vida anterior, como trader, aprendi a respeitar e admirar Alan Greenspan e, mesmo sem ter feito uma ínfima parte da investigação de Reis e Blinder, concordo plenamente que Greenspan é o maior banqueiro central de sempre."

Bom, eu na minha vida anterior como "trader" aprendi a tentar lucrar com Greenspan - comprar ouro e esperar que o sistema siga o normal curso da natureza de todos os projectos estatistas (por falar nisso, está a fazer máximos desde que recuperou do grande esquema praticado pelos Bancos Centrais de todo o mundo que deprimiu artificialmente as cotações da única moeda natural da civilização) - e pelo caminho tirar partido das grandes flutuações nos mercados de capitais devido às incertezas crónicas e periódicas sobre a solvência do sistema monetário internacional.

O que Greenspan conseguiu foi dar a ilusão a liberais e conservadores de toda a espécie que um sistema de monopólio estatista de "fiat money" funciona: pedaços de papel que não representam nenhum bem real feitos "moeda" por decreto-legislação e impostos coercivamente à população depois da extorsão em massa das moedas e barras detidas por esta - foi esta a Boa Nova anunciada pela Idade do Estatismo Moderno após a Primeira Grande Guerra.

Desde que iniciou as sua funções presidiu a todas as ajudas à custa de mais inflação monetária: O crash de 1987, 2 grandes mini-crash (crise da Rùssia, Coreia) antes da queda final da grande bolha em 2001, passando pela ajuda aos prémios nobels de economia no Long Term Capital.

Como não deixar de se interrogar sobre a sua viabilidade? Como podem os liberais não notarem que a Idade dos Grande Déficits só se torna possível porque moeda e dívida pública são as duas faces da moeda estatista (olhem para o balanço de um Banco Central)? Como não ver os grande problemas - os ciclos económicos (1929 foi apenas 16 anos depois da criação do FED), a economia baseada em crédito, a ilusão da inflação monetária (entendida como aumento da quantidade e não dos preços), os beneficiários (o Estado porque possibilita os déficis, os bancos que em parte concedem crédito não pela intermediação de poupança mas pela pura criaçao monetária, as grandes empresas que são as primeiras a beneficiar das quantidades adicionais de crédito antes dos preços o reflectirem).

O elogio de Greenspan é o elogio do estatista que adia a ilusão que tal monstro pode funcionar. Mas irónico é que Greenspan, que andou pelos circulos de Ayn Rand e conhece bem os "austriacos", disse o seguinte em 1966:

"An almost hysterical antagonism toward the gold standard is one issue which unites statists of all persuasions. They seem to sense – perhaps more clearly and subtly than many consistent defenders of laissez-faire – that gold and economic freedom are inseparable, that the gold standard is an instrument of laissez-faire and that each implies and requires the other(...)

With a logic reminiscent of a generation earlier, statists argued that the gold standard was largely to blame for the credit debacle which led to the Great Depression. If the gold standard had not existed, they argued, Britain’s abandonment of gold payments in 1931 would not have caused the failure of banks all over the world. (The irony was that since 1913, we had been, not on a gold standard, but on what may be termed "a mixed gold standard"; yet it is gold that took the blame.) But the opposition to the gold standard in any form – from a growing number of welfare-state advocates – was prompted by a much subtler insight: the realization that the gold standard is incompatible with chronic deficit spending (the hallmark of the welfare state).

Stripped of its academic jargon, the welfare state is nothing more than a mechanism by which governments confiscate the wealth of the productive members of a society to support a wide variety of welfare schemes. A substantial part of the confiscation is effected by taxation. But the welfare statists were quick to recognize that if they wished to retain political power, the amount of taxation had to be limited and they had to resort to programs of massive deficit spending, i.e., they had to borrow money, by issuing government bonds, to finance welfare expenditures on a large scale.(...)

In the absence of the gold standard, there is no way to protect savings from confiscation through inflation. There is no safe store of value. If there were, the government would have to make its holding illegal, as was done in the case of gold. If everyone decided, for example, to convert all his bank deposits to silver or copper or any other good, and thereafter declined to accept checks as payment for goods, bank deposits would lose their purchasing power and government-created bank credit would be worthless as a claim on goods. The financial policy of the welfare state requires that there be no way for the owners of wealth to protect themselves.This is the shabby secret of the welfare statists’ tirades against gold.

Deficit spending is simply a scheme for the confiscation of wealth. Gold stands in the way of this insidious process. It stands as a protector of property rights. If one grasps this, one has no difficulty in understanding the statists’ antagonism toward the gold standard." Capitalism: The Unknown Ideal.