sábado, 30 de Setembro de 2006

A actualidade de Ludwig von Mises

I thus had arrived at this hopeless pessimism that for a long time had burdened the best minds of Europe.... This pessimism had broken the strength of Carl Menger, and it overshadowed the life of Max Weber….

It is a matter of temperament how we shape our lives in the knowledge of an inescapable catastrophe. In high school I had chosen the verse by Virgil as my motto: Tu ne cede malis sed contra audentior ito (“Do not yield to the bad, but always oppose it with courage”). In the darkest hours of the war, I recalled this dictum. Again and again I faced situations from which rational deliberations could find no escape. But then something unexpected occurred that brought deliverance. I could not lose courage even now. I would do everything an economist could do. I would not tire in professing what I knew to be right.
Mises citado por Rothbard no artigo Ludwig von Mises: Scholar, Creator, Hero

sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

Aborto e discriminação III

Recorrendo a CHILDREN AND RIGHTS / Ethics of Liberty - Murray N. Rothbard.

1. Ética e Moral

O que está em causa é se achamos adequado e consistente que o aparelho legislativo criminalize questões morais mesmo quando a imoralidade do acto não esteja em causa (pelo menos para uma grande maioria). Portanto, o primeiro passo é saber se estão em causa direitos negativos (Éticos) ou se "direitos" positivos (Morais).

O facto da expulsão provocar a morte é comparável (não em grau mas no princípio) à expulsão de alguém da nossa propriedade (casa) deixando-a à sua sorte (será que consegue sobreviver?).

A imoralidade parece óbvia, mas a classificação como direito positivo, da reivindicação de sustentação por terceiros, do uso da sua propriedade/meios, obrigando (coercivamente) a albergar/alimentar na sua propriedade, também parece certa.

Portanto, a questão Liberal é a acomodação de "direitos" positivos.

E aqui, a contradição à esquerda parece sempre óbvia. Reclamando toda a espécie de "direitos positivos" nega logo o "direito positivo" do feto quando o que está em causa é a sua vida.

À direita, a abertura a que uma "moral" seja coercivamente-colectivisticamente imposta, abre caminho a que ela própria fique sujeita ao intervencionismo (umas vezes amoral, outra moralista desde que isso lhe interesse particularmente) do Estatismo (ver ponto 2).


Ter em conta que o carácter do "Ethics of Liberty" é de constituir uma inquirição "total" aos princípios dos direitos naturais, retirando todas as consequências práticas da filosofia, o que é de celebrar. Quantas vezes é mais cómodo falar em termos abstractos e abster-se de retirar as devidas consequências.

"We must therefore state that, even from birth, the parental ownership is not absolute but of a “trustee” or guardianship kind. In short, every baby as soon as it is born and is therefore no longer contained within his mother’s body possesses the right of self-ownership by virtue of being a separate entity and a potential adult. It must therefore be illegal and a violation of the child’s rights for a parent to aggress against his person by mutilating, torturing, murdering him, etc.

On the other hand, the very concept of “rights” is a “negative” one, demarcating the areas of a person’s action that no man may properly interfere with. No man can therefore have a “right” to compel someone to do a positive act, for in that case the compulsion violates the right of person or property of the individual being coerced. Thus, we may say that a man has a right to his property (i.e., a right not to have his property invaded), but we cannot say that anyone has a “right” to a “living wage,” for that would mean that someone would be coerced into providing him with such a wage, and that would violate the property rights of the people being coerced.

As a corollary this means that, in the free society, no man may be saddled with the legal obligation to do anything for another, since that would invade the former’s rights; the only legal obligation one man has to another is to respect the other man’s rights.

Applying our theory to parents and children, this means that a parent does not have the right to aggress against his children, but also that the parent should not have a legal obligation to feed, clothe, or educate his children, since such obligations would entail positive acts coerced upon the parent and depriving the parent of his rights.

The parent therefore may not murder or mutilate his child, and the law properly outlaws a parent from doing so. But the parent should have the legal right not to feed the child, i.e., to allow it to die.[4] The law, therefore, may not properly compel the parent to feed a child or to keep it alive.[5]

(Again, whether or not a parent has a moral rather than a legally enforceable obligation to keep his child alive is a completely separate question.)

This rule allows us to solve such vexing questions as: should a parent have the right to allow a deformed baby to die (e.g., by not feeding it)?[6] The answer is of course yes, following a fortiori from the larger right to allow any baby, whether deformed or not, to die. (Though, as we shall see below, in a libertarian society the existence of a free baby market will bring such “neglect” down to a minimum.)"

2. As outras intrusões do Estado no direito dos pais e crianças

"In the libertarian society, then, the mother would have the absolute right to her own body and therefore to perform an abortion; and would have the trustee-ownership of her children, an ownership limited only by the illegality of aggressing against their persons and by their absolute right to run away or to leave home at any time. Parents would be able to sell their trustee-rights in children to anyone who wished to buy them at any mutually agreed price.

The present state of juvenile law in the United States, it might be pointed out, is in many ways nearly the reverse of our desired libertarian model. In the current situation, both the rights of parents and children are systematically violated by the State.[14]

First, the rights of the parents. In present law, children may be seized from their parents by outside adults (almost always, the State) for a variety of reasons. Two reasons, physical abuse by the parent and voluntary abandonment, are plausible, since in the former case the parent aggressed against the child, and in the latter the parent voluntarily abandoned custody. Two points, however, should be mentioned: (a) that, until recent years, the parents were rendered immune by court decisions from ordinary tort liability in physically aggressing against their children—fortunately, this is now being remedied;[15] and (b) despite the publicity being given to the “battered child syndrome,” it has been estimated that only 5 percent of “child abuse” cases involve physical aggression by the parents.[16]

On the other hand, the two other grounds for seizing children from their parents, both coming under the broad rubric of “child neglect,” clearly violate parental rights. These are: failure to provide children with the “proper” food, shelter, medical care, or education; and failure to provide children with a “fit environment.” It should be clear that both categories, and especially the latter, are vague enough to provide an excuse for the State to seize almost any children, since it is up to the State to define what is “proper” and “fit.” Equally vague are other, corollary, standards allowing the State to seize children whose “optimal development” is not being promoted by the parents, or where the “best interests” of the child (again, all defined by the State) are promoted thereby.

A few recent cases will serve as examples of how broadly the seizure power has been exercised. In the 1950case of In re Watson, the state found a mother to have neglected three children by virtue of the fact that she was “incapable by reason of her emotional status, her mental condition, and her allegedly deeply religious feelings amounting to fanaticism.” In its decision, fraught with totalitarian implications, the court stressed the alleged obligation of parents to bring up children respecting and adjusting to “the conventions and the mores of the community in which they are to live.”[17]

In 1954,in the case of Hunter v. Powers, the court again violated religious freedom as well as parental rights by seizing a child on the ground that the parent was too intensely devoted to a nonconformist religion, and that the child should properly have been studying or playing, rather than passing out religious literature. A year later, in the case of In re Black, a Utah court seized eight children from their parents because the parents had failed to teach the children that polygamy was immoral.[18]"

Ludwig von Mises



"Ludwig von Mises: Defender of Capitalism" de George Reisman em comemoração do 125º aniversário seu nascimento

quinta-feira, 28 de Setembro de 2006

Feudalismo e Ordem Natural

Notar que a Ordem Feudal não se aplicava nas Cidades onde os "cidadãos" eram "livres" de relações feudais, essencialmente porque não existia a necessidade de criar uma relação contratual/convenant de deveres-obrigação fundada na necessidade de produzir e de garantir a segurança nos mesmos termos que fora delas. Mas a extrema atomização dos domínios e relações feudais e a convivência com outras relações ou fontes de direito - o da cidade, a eclesiástica, e a necessidade de respeitar a tradição e o costume, configurava uma ordem pouco democrática mas não muito longe da liberdade natural, tendo em conta o estado tecnológico dos tempos.

Herculano falava das liberdades antigas" e como outros, de como o despotismo (do absolutismo - um termo que deve ser aplicado à própria consolidação do poder como "Estado-Nação", e não própriamente aos poderes dos "Reis") era novo.

Wikipedia:

Lords, vassals and fiefs

Before a lord could grant land (a fief) to someone, he had to make that person a vassal. This was done at a formal and symbolic ceremony called a commendation ceremony comprised of the two-part act of homage and oath of fealty. During homage, the vassal would promise to fight for the lord at his command. Fealty comes from the Latin fidelitas, or faithfulness; the oath of fealty is thus a promise that the vassal will be faithful to the lord. Once the commendation was complete, the lord and vassal were now in a feudal relationship with agreed-upon mutual obligations to one another.

The lord's principal obligation was to grant a fief, or its revenues, to the vassal; the fief is the primary reason the vassal chose to enter into the relationship. In addition, the lord sometimes had to fulfill other obligations to the vassal and fief. One of those obligations was its maintenance. Since the lord had not given the land away, only loaned it, it was still the lord's responsibility to maintain the land, while the vassal had the right to collect revenues generated from it. Another obligation that the lord had to fulfill was to protect the land and the vassal from harm.

The vassal's principal obligation to the lord was to provide "aid", or military service. Using whatever equipment the vassal could obtain by virtue of the revenues from the fief, the vassal was responsible to answer to calls to military service on behalf of the lord. This security of military help was the primary reason the lord entered into the feudal relationship. In addition, the vassal sometimes had to fulfill other obligations to the lord. One of those obligations was to provide the lord with "counsel", so that if the lord faced a major decision, such as whether or not to go to war, he would summon all his vassals and hold a council. The vassal may have been required to provide a certain amount of his farm's yield to his lord. The vassal was also sometimes required to grind his wheat and bake his bread in the ovens owned and taxed by his lord.

The land-holding relationships of feudalism revolved around the fief. Depending on the power of the granting lord, grants could range in size from a small farm to a much larger area of land. The size of fiefs was described in irregular terms quite different from modern area terms; see
medieval land terms. The lord-vassal relationship was not restricted to members of the laity; bishops and abbots, for example, were also capable of acting as lords.

There were thus different 'levels' of lordship and vassaldom. The King was a lord who loaned fiefs to aristocrats, who were his vassals. Meanwhile the aristocrats were in turn lords to their own vassals, the peasants who worked on their land. Ultimately, the Emperor was a lord who loaned fiefs to Kings, who were his vassals. This traditonally formed the basis of a 'universal monarchy' as an imperial alliance and a world order."

Aborto e discriminação II

Notas adicionais.

O direito ao aborto representa a reivindicação de que o corpo em que o feto reside é propriedade da mãe e que a soberania sobre essa propriedade implica a capacidade de expulsar o feto dessa propriedade.

Embora quem defenda a despenalização não seja (hipócritamente?) capaz de o equacionar desta forma, creio que um pouco de reflexão conduz a que não exista outra caracterização.


Na verdade, também os pais por vezes abandonam os filhos ou dependentes porque, e consistentemente com o direito de soberania, ninguém pode ser obrigado a manter dentro da sua propriedade e consumindo recursos alheios, alguém contra a sua própria vontade.

Também acho que ninguém tem dúvidas que falamos de actos da mais profunda imoralidade. Mas o que está em causa é da sua validade ética-legal de o fazer.

A direita tende a pretender ilegalizar a imoralidade, a esquerda a não só "legalizar" como a proibir depois qualquer forma de discriminação privada por terceiros baseada em julgamentos morais.

A contradição à esquerda é:

- pretender reivindicar um acto de soberania baseado em conceitos de propriedade e da mais pura discriminação que resulta da expulsão do feto.
- ao mesmo tempo que pretende a todo o tempo defender de forma absoluta o igualitarismo e proibição da discriminação privada.

À direita:

- a tentação de usar o sistema legal para impor moral abre o caminho a todo o tipo de intervencionismo e em todos os domínos com argumentos similares, incluindo, a invasão do espaço da família, a educação, etc.

Qual parece ser o papel do Liberalismo?

1. Fazer notar que representando o aborto talvez a forma mais extrema de reivindicação de soberania do proprietário e a sua capacidade de discriminar/expulsar, existem muitos mais domínios onde seria muito mais inócuo tal ser praticado.

Exemplos: Empresas discriminarem contra fumadores, condomínios contra detentores de animais, restaurantes chineses contra empregados não-chineses (ou já agora, restaurantes que só pretendem louras...), etc

Além disso, parece-me óbvio que se a mãe tem essa capacidade, também teremos de aceitar que outros proprietários (condomínios, empresas, etc) possam discriminar (nem é que preveja que tal fenómeno ganharia grande expressão prática, falamos aqui é de princípios) contra ... quem pratica o aborto.

2. Na realidade política concreta e tendo em conta que a descentralização representa a aproximação da capacidade de auto-regulação às comunidades concretas, devem ter as entidades locais capacidade de regular, dentro de determinados parâmetros, as suas escolhas.

Assim, tal com em tempos existiram "Municípios livre de nuclear", poderiam estes simplesmente decretar (via referendo local?) que não são "Municípios livres da prática do aborto", não se trata de "ilegalizar"/"criminalizar", mas apenas de regular a sua não prática no "seu" local.

quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal

MAIS UMA CONCESSÃO:
OPERA DE MOZART RETIRADA EM BERLIM

In Today's FeuilletonsWednesday 27 September, 2006Much to do about "Idomeneo".
The decision by Berlin's Deutsche Oper to trike the Mozart opera from its programme for fear of violent reprisals from the Islamic community has unleashed a storm of protest in the feuilletons. What has become of Germany's famed state-subsidised cultural courage? The opera house's decision meets with little understanding and much outrage. Fortuitously coincident with the uproar is a conference on Islam in Germany, which opens today in Berlin.
http://www.signandsight.com/intodaysfeuilletons/969.html

terça-feira, 26 de Setembro de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal

UMA MEGA-MESQUITA EM LONDRES: E SE FOSSE EM LISBOA?

Ver “The shadow cast by a mega-mosque” por Philip Johnson
http://www.telegraph.co.uk

e outro artigo sobre o mesmo assunto:
http://www.melaniephillips.com/diary/?p=1336

O projecto de construir ao lado do terreno destinado às Olimpiades de 2012
da maior mesquita da Europa com uma capacidade de até 70.000 fieis provoca uma séria reflexão sobre os princípios liberais e a sua aplicação.

Até que ponto o liberalismo permite planeamento urbano e ordenamento territorial?
Será uma consulta à população uma possível solução? E qual a população a consultar? Local? (No caso em questão parece que a maioria da zona de West Ham é muçulmana.) Londrina? Nacional?
Terá a proveniência dos fundos (neste caso Arábia Saudita) alguma pertinência?
E se Lisboa tivesse uma população muçulmano mais significativa e esta quizesse seguir o exemplo britânico, qual seria a posição liberal?

Aborto e discriminação

1. O corpo é da mulher e isso em si confere o direito de discriminar o feto expulsando-o? Sim. E é isso que se trata por mais racíocinios tortuosos que os pró-aborto pretendam elaborar para disfarçar a imoralidade do acto.

2. Estando assente no primado do direito de propriedade do corpo da mulher, tal acto pode ser considerado altamente imoral mas a capacidade ética-legal de o realizar (isto, num paradigma liberal) parece consistente.

3. Mas então, também toda a legislação que de forma indirecta e directa proibe a discriminação privada deve também ser abolida, nomeadamente a que pode discriminar contra fumadores, consumidores de droga ou alcool, ou ainda ... contra quem pratica o aborto, etc.

Ou seja, a capacidade de reivindicar a soberania de praticar actos "imorais" não teria de ser conferida logo como excepção quando está em causa a vida.

Tudo indicaria que outros actos de soberania poderão ser "reivindicados" ainda antes do aborto, e isso inclui, quer a decisão individual de consumir drogas, mas também a decisão de discriminar contra quem o faz, assim como contra quem pratica o aborto.

"Suíça destrona EUA como economia mais competitiva do mundo"

A república mesmo federal, da descentralização que aplicada aqui poderia ser apelidada de "extrema", do exército civil (milícias com armas em casa), e caso de sucesso multi-linguístico e multi-religioso (comunidades separadas e com autónomas constróiem a melhor convivência), ainda algo "isolacionista", onde a capacidade de expropriação é mais limitada e que recorre a referendos constantes...

Reforma da Segurança Social sem custos de transição

O conceito é simples.

Temos uma receita anual constituída pelos pagamentos efectuados pelos contribuintes em cada orçamento.

Temos uma despesa composta pelo conjunto de contribuintes passados - agora beneficiários, e cujas contribuições acumuladas são passíveis de comparar em termos relativos.

Em cada ano orçamental, a receita deve ser distribuída pelos beneficiários proporcionalmente ao peso de contribuições passadas medida dentro dos actuais beneficiários.

A virtualidade deste sistema é que...o sistema é exactamente assim que funciona. Uma trasferência entre contribuintes e beneficiários.

As várias re-formulações do cálculo das pensões não são mais do que tentativas periódicas e crónicas de adequação da despesa à receita, embora lhe chamem outra coisa.

Depois é só discutir se a taxa de segurança social deve ser baixada (ou não) e para que nível.

Em cada proposta de baixa (aumento) da taxa, significaria que os contribuintes actuais poderiam ver aumentado (diminuido) o seu rendimento líquido (a redução das taxa devida pela empresa reverteria em aumento do salário líquido), e os beneficiários actuais diminuido (aumentado) a receita a ser distribuida proporcionalmente às contribuições passadas.

Sem custos de transição e aumentando a percepção da população sobre a realidade do sistema.

Adenda: É preciso notar que um dos problemas da segurança social é ser compulsivo. Substituir um sistema público compulsivo parcialmente por um sistema privado compulsivo não me parece grande avanço, até porque, existe o problema da "transição".

Neste novo século, será de esperar que começe a ser aplicado o Princípio de Subsidariedade também à Segurança Social.

Assim, podemos devolver parte do rendimento líquido ao contribuinte, retendo o Estado um sistema compulsivo, apenas com o objectivo de adequar uma espécie de rendimento mínimo a quem se reforma.

Ainda assim, esta proposta não traz consigo necessáriamente a baixa das taxas-reformas. O primeiro objectivo é trazer transparência às escolhas e ao sistema. A possível baixa das taxas-reformas pode quanto muito vir a ser uma consequência do aumento da percepção por parte da população sobre a verdade do sistema.

sábado, 23 de Setembro de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal

O artigo do Papa. O que ele disse sobre Socrates, Kant, Razão, Ciência e a Civilização Europeia

Este artigo é imprescindível e desmascara os autores de críticas malévolas de todos os quadrantes.
http://www.weeklystandard.com/Content/Public/Articles/000/000/012/736fyrpi.asp?pg=2

sexta-feira, 22 de Setembro de 2006

Taxa de Impostos Única

Reduzir o IRC para 10% ou 15%?

Pessoalmente, acho preferível implementar uma solução de "Taxa de Impostos Única" para o IRS e IRC, e já agora IVA também.

Simplificaria quer o sistema fiscal quer a própria discussão sobre Política Fiscal e a escolha entre diferentes propostas - ou seja, uma certa democratização de uma tema que fica sempre submerso numa falsa áurea de complexidade, logo no assunto que mais interessa ao contribuinte. Para além disso, quantas vezes já aconteceu baixar um imposto para depois ser compensado por outro qualquer, e no fim, a médio prazo, acabarem a subir quase todos?

Imaginemos então a discussão de diferentes propostas:

Proposta 1: Taxa de 21% para IRC/IRS/IVA

Proposta 2: Taxa de 19% para IRC/IRS/IVA

Nota: Mas antecipando que o gosto por complicar faz parte da natureza humana, ainda assim seria possível conviver este conceito com taxas marginais mais baixas. Assim, em IRS o nível de rendimentos com isenção de imposto poderia ser aumentado, e poderiam existir escalões de IVA mais baixos como actualmente.

Vamos a votos?

quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

Notícias da Hungria

Um texto de Katharine Cornell Gorka, do ITDIS:

Violence and Protest in Hungary
Katharine Cornell Gorka

Institute for Transitional Democracy and International Security (ITDIS)



Hungary is finally suffering the cost of 16 years of unreformed government. Just before midnight tonight, Monday, September 18th, demonstrators in Budapest turned violent. A crowd of approximately 10,000 gathered in front of the national television, MTV, (just across the square from the U.S. Embassy) and started attacking with hammers and chisels the World War 2 memorial to fallen Soviet soldiers. They then turned on the offices of the television and started hurling rocks through the windows and setting cars on fire. Police have responded with teargas and watercannons. At the moment, the crowd is still violent and is demanding to be allowed into the television. In an eerie echo of the Revolution of 1956, whose 50th anniversary will take place next month, demonstrators have captured the tank on which the water cannon was located.

Ostensibly, and this no doubt is how the events will be reported around the world, these protests are a response to a tape released on Sunday night, on which the Prime Minister, Ferenc Gyrucsány, can be heard saying, "We lied during the last one-and-a-half or two years. It was obvious that whatever we said was untrue….We have not taken any important government measures that we can be proud of apart from bringing back power from the deep s--t," referring to the electoral victory of the Socialist-liberal coalition. The speech continues is a similar vein, with several references to “this f---ing country.” The tape was secretly recorded, allegedly by fellow members of his party, the MSzP (Hungarian Socialist Party) who are disgruntled with his policies. Hungarians around the nation have expressed growing outrage in the 24 hours since the tape was released on the website of Hungarian public radio. Demonstrations have been taking place today in cities and towns around the country.

Hungarians are upset that they have been lied to, but also that their country should be referred to in such a way. Indeed the tape is the spark that set off these protests, but it is not the underlying cause. Frustration and discontent have been growing for a long time. Deutschlandfunk Radio recently called the situation in Hungary an economic emergency. According to the Budapest Business Journal, the International Monetary Fund has stated in its latest “World Economic Outlook” that Hungary “is in more urgent need of fiscal consolidation that any emerging market in Europe.”

The Gyurcsány government was reelected earlier this year with a campaign pledge of “progress, success and victory. Not for a select few, but for everyone…” It is a concept that has been promoted by every government in Hungary since the transition from communism in 1989: the prosperity of a market system combined with the egalitarianism and safety of a welfare system. It has taken sixteen years, but we are finally seeing the impact of such a misconstrued idea: 25% of the workforce employed by the government, a projected fiscal deficit of 10%, crippling rates of taxation, and excessive corruption. Even outgoing U.S. Ambassador George Herbert Walker III, otherwise known for his moderation, called Hungary’s budget deficit “monstrous” and the size of its government “appalling.”

Many in the West, while perhaps attuned to the recent criticisms of Hungary by international financial institutions, will likely be surprised by the vituperative and violent nature of the demonstrations now taking place. But they should not be. Hungarians have watched the early promise of the late 1980s, and early 1990s wither away. Hungary started its transition to democracy well in the first position among its fellow Central and Eastern European countries. In 1989, the private sector was contributing an estimated 20% to GDP, and Hungary had highest direct foreign investment, and among the highest per capita incomes. But this early promise has been steadily eroded. Government after government has failed to reform the heavily paternalistic welfare state of the communist era. Indeed, while the size of the government should have been scaled back dramatically, instead, it grew. Not one government has come into power in Hungary, neither from the left nor from the right, who has understood the fundamental mechanisms of a market economy. All have promised growth, but a growth driven by the state. Victor Orbán, the prime minister from 1998 to 2002, who ran on an anti-communist, centre-right platform, was quoted in the Wall Street Journal as saying: “It’s obvious that after the Second World War, the major source of economic development in many countries was the state. We also looked at the experience from the beginning of the 1980s, of how Finland, Ireland, Catalonia were modernized through global capital and the attraction of foreign investors. We have to combine the role of the state in providing infrastructure for business life and at the same time attract as many as possible foreign investors to Hungary.” Every government in Hungary since 1989 has expressed, in one way or another, this same fundamental idea: the state must drive growth. Now, Hungary is facing the failure of that policy. Gyurcsány’s crass confession may have triggered their anger, but it is an anger that has been building for a long time.

Michael Novak recently said we will have to spend the next four to five years learning all over again that if you put a socialist in charge of the desert, eventually you will have a shortage of sand. It looks as if we might not have to wait so long.

Katharine Cornell Gorka

Co-Director
Institute for Transitional Democracy and International Security (ITDIS)
15 Erdosor utca
Piliscsaba, H-2081
HUNGARY
kcg@itdis.org
www.itdis.org

Tolkien

Via Blasfémias: "Uma obra inacabada do escritor John Ronald Reuel Tolkien (1892-1973) será publicada na próxima Primavera, depois de o seu filho a ter completado, informou hoje a editora britânica HarperCollins."

CAA regozija (e bem) mas apenas por alguma piada noto:

Tolkien era Católico e resulta da sua mãe ter-se convertido ao Catolicismo no meio de uma comunidade protestante, tendo aparentemente sofrido com isso, e tendo ele próprio ficado marcado.

O seu biógrafo diz: For Tolkien," writes Pearce, "Catholicism was not an opinion to which one subscribed but a reality to which one submitted . . . . Tolkien remained a Catholic for the simple if disarming reason that he believed Catholicism was true."

Curiosamente, e algo que se encontra noutros Católicos:

"My political opinions lean more and more to Anarchy (philosophically understood, meaning abolition of control not whiskered men with bombs)"

"Compromisso propõe redução de 200 mil funcionários públicos"

Só é relevante na medida em que os salários passem a ter origem na venda não compulsiva de produtos e serviços e não em impostos (ainda que uma parte da acitividade do Estado seja prestar serviços que seriam sempre procurados - outra não), as pensões de reforma mantêm a despesa.

E sempre que assim acontece, a "nossa" liberdade aumenta - ou seja, aumenta o peso das relações civis relativamente às que nascem por legislação - não é apenas uma questão "de contas públicas".

"Christianity: Mother of Political Liberty"

by P. Andrew Sandlin, (Via www.lewrockwell.com)

Reflexões: é importante reparar que a validade do Princípio mantém-se enquanto o Cristianismo vive à margem da Política (como "jogo" pelo domínio do Estado). Embora seja uma banalidade encontrar esta afirmação nos meios liberais, eu interpreto-a com mais abrangência, precisamos de Cristianismo mas não precisamos da Política onde nenhum bem reside, quanto muito apenas males menores. Se a Política fosse algo necessária e inevitávelmente humano, nem estou a ver porque o Cristianismo não deveria meter-se nessa realidade, a não ser para provar que afinal o Cristianismo é apenas um clube ou associação pouco relevante nos assuntos humanos. Agora na Sociedade Civil, o Cristianismo não se abstêm de nada.

Vamos a exemplos práticos. Quando um grupo de Cristãos forma uma comunidade residencial (como muitas se formaram na América) e regulam a sua vida em comum, falemos por exemplo dos Amish, este criaram regras para a permanência, ou seja, a expulsão é o último dos castigos aplicados a comportamentos que antagonizam a própria identidade da comunidade. E "Expulsão" não é equivalente legislar um crime e aplicar um pena de prisão sustentada por impostos. E seria ridículo dizer que o regulamentação da comunidade é o "Estado" e que a religião não se deve meter no "Estado" e portanto incapaz de aplicar a "expulsão".

Portanto, a Política (no sentido enunciado acima) é sempre um mal, e o Cristianismo não deve conviver e fazer parte, onde apenas o mal reside.


"Liberty has not subsisted outside of Christianity." Lord Acton

The most liberating political force in the history of mankind has been Christianity (Jn. 8:36). Christianity branched from the trunk of godly Old Testament Hebrew religion, and the ancient Hebrew commonwealth (before the era of the kings [1 Sam. 8]) was arguably the most libertarian society in the history of mankind. Christianity inherited from Old Testament faith the bedrock belief in the sovereign, transcendent God Who stands above and judges all humanity, including its systems of civil government. The political order is never ultimate.

The Ancient World

Christianity shattered the unity of the ancient, pagan world. The source of that unity was the state, usually identified with society itself, at the head of which was a great political ruler, a king or emperor, thought to be a god or god-like. The unity of the ancient, pagan world consisted of the divinization of the temporal order in the form of the state.

Christianity recognized "another king" (Ac. 17:7). While by no means anarchists, the early Christians recognized that no earthly authority, especially political authority, could be ultimate. God¹s authority is ultimate.

In clarifying orthodox Christology (the doctrine of Jesus Christ), the Council of Chalcedon (A.D. 451) laid the foundation of Western liberty. Jesus Christ alone is both divine and human, fully God and fully Man, the unique link between heaven and earth. He is the only divine-human Mediator. This decision dramatically repudiated every divinization of the temporal order. No state, no church, no family, no man could be God or God-like.

This recognition set patristic Christianity on a collision course with classical politics. Early Christians were savagely persecuted not because they worshipped Jesus Christ, but because they refused to worship the Roman emperor. Polytheistic societies encourage the worship of deities. What they resist is the exclusion of all deities, particularly the state, except the true Deity, the God of the Bible.

The Medieval World

In the medieval world, the Latin Church became a countervailing force in society, checking and limiting the authority of the state. In fact, much of the time, the church¹s size and strength far exceeded that of any particular state. Lord Acton was correct to suggest that the practice of political liberty in the West arose largely from this medieval church-state conflict. In addition, the medieval world, despite its many defects, supported a large measure of political liberty in fostering several human institutions besides the church which claimed the allegiance of man: the family, the guild, the feudal lord, and so forth. This meant that the state had to share its authority with other equally legitimate human institutions. No human institution may exercise ultimate authority.

The Modern World

Constitutional limitations on political power, out of which arose the practice of eighteenth- and nineteenth-century constitutional democracies, started in Christian England with the Magna Carta. England also delivered the first successful assault against the evil doctrine of the divine right of kings during the Puritan Revolution in the first half of the seventeenth century, and in 1688-89 during the Glorious Revolution of William and Mary it nailed the coffin shut on this long-lived threat to political liberty. The founding of the United States was the greatest experiment in political liberty to that time, and it operated self-consciously on certain distinctly Christian premises. The Founders, for example, recognized the Biblical doctrine of original sin and human depravity, and therefore fashioned a system of civil government that divided decision making among several branches and did not vest any single branch of civil government with too much power. Second, they argued that the role of civil government is to secure the rights of "life, liberty, and happiness," with which God as Creator endowed all men. Third, recognizing the Biblical doctrine that civil government should protect minorities (Ex. 23:9), they drafted a constitution to which they attached a Bill of Rights, thus inhibiting tyranny arising from quick political change at the whim of democratic opinion.

Political liberty as reflected in the separation of powers, as well as checks and balances; the role of the state in protecting life, liberty, and property; and the constitutional protection of the rights of minorities <>

Whither the West?

Today the West languishes under the violence of abortion and euthanasia, the scourge of homosexuality, the poverty of materialism, the coercion of socialism, the stranglehold of "public" education, the chaos of judicial activism, and the injustice of a forced racism and sexism. These tyrannies are all the direct result of the abandonment of Biblical Christianity. The Western world has increasingly accepted the proposal of that first modern political liberal, Jean Jacque Rousseau: the state will emancipate you from responsibility to all non-coercive human institutions like the family, church, and business, if only you submit yourself to the coercion of the state. Modern man has been willing to trade away responsibility to the family and church and business for subjugation to an increasingly coercive and violent political order. We are returning to the classical, pagan world in which the coercive state is the unifying principle for all of life.

The most vicious, violent, and murderous political regimes in the history of mankind have been non- or anti-Christian: the primitive pagan humanism of ancient Egypt, Babylon, Persia, Greece, and Rome, and the sophisticated secular humanism of revolutionary France, the Soviet Union, Red China, Nazi Germany, Fascist Italy, and other modern secular states. Humanism is and always has been a recipe for political terror and tyranny.

The only hope for the return of political liberty and the free society it fosters is a return to orthodox, Biblical Christianity. Christianity is not merely a matrix in which political freedom flourishes; it is the only foundation on which to build a free society."

Causa Liberal

Causa Liberal

AVISO E PEDIDO DE DESCULPAS PARA
OS OUTROS LEITORES DESTE BLOG

Afinal foi realmente um erro deixar-me provocar por CN. Vai acabar aqui. Tentei que ele percebesse o que são algumas falácias da lógica. Ou ele nao sabe ler ou então é realmente ainda mais "cerebrally challenged" do que imaginei.

Além de outras referências acintosas vêm mais estas perolas:

"Quanto a AJP Taylor, vai-me desculpar, quem não o gostar de ler é porque não gosta mesmo nada de ler história." (AD HOMINEM)

"Ou então, falemos de Justin Raimundo (um libertarian rothbadiano por acaso homosexual - como Tom Palmer- e amigo de Pat Buchanan)....." (IRRELEVÂNCIA DE IMPRESSIONANTE MAU GOSTO)

Assim fiquei sabendo 1) que CN considera que quem não partilha os gostos dele em matéria de historiografia não gosta da História. 2) que o CN considera relevante as tendências sexuais de certas figuras políticas e que eu também possa partilhar desse interesse.

Admirável!
Estas realmente são posturas muito liberais!!!

Se se tratasse de uma pessoa normal, eu teria posto as minhas palavras nos "Comentários" Sendo a verbosidade doentia de CN tão aguda, tive receio que as minhas palavras ficassem perdidas no meio de tanta tolice: as pessoas ficaram habituadas a não ler o que CN escreve
e a não esperarem comentários. Acabo aqui e
comprometo-me a resumir a minha política de ignorar o CN.

terça-feira, 19 de Setembro de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal
MOSLEM IMPERIALISM
Imperialismo muçulmano

Talvez o termo utilizado pelo Reverendo Peter Mullen, padre anglicano e reitor da Igreja de St. Michael na “City of London” será mais apropriado do que “islamo-fascismo”. As objecções à esta última expressão como demasiado moderna para classificar uma ideologia essencialmente medieval parecem ter alguma razão de ser. Mullen tem um artigo importante na Salisbury Review de Setembro em que traça a história de alguns aspectos militantes/ militares, .da religião fundada por Maomé. Teria ele sido mais guerreiro e fundador de um império do que um profeta? Eis um extracto do artigo deste padre da Igreja de Inglaterra, tão diferente dos pronunciamentos anódinos de muitos dos seus colegas dessa mesma igreja:

“A few years ago – certainly before 9/11 – I was at a political symposium and we were discussing the Cold War. In the final session someone tried to bring together the various strands of our conversation and said, ‘Well at least we can be grateful that the longest confrontation in modern times is over’. Whereupon one of the most senior academic members of the conference replied , ‘The longest confrontation in modern times has been going on for 1400 years. 300 years ago the enemy were at the gates of Vienna, and if they get the chance they’ll be there again.The enemy he referred to, of course, is Muslim imperialism. Not all Muslims are aggressive imperialists. Melanie Phillips was surely right to say in The Times recently, ‘In Britain hundreds of thousands of Muslims lead law-abiding lives and merely want to prosper and raise their families in peace’. There are many so called moderate Muslims who want peaceful co-existence and co-operation. But there is a predominance of the other sort – of the ideologically-driven certainty which regards the followers of Islam as servants of the truth and the rest of the world as infidel rubbish. These sponsor the policy of ‘Convert or die’. The world for them is conveniently divided into two halves: the Muslim orthodox and the unbelieving and inferior rest: that’s us. I am neither so foolish nor so arrogant as to dismiss one of the great world religions. There are versions and interpretations of Islam which are benign and enlightened. But these are not what are in the ascendancy now. There were and are disgraceful acts perpetrated in the name of Judaism and Christianity too. But with Islam at present it is as if the whole of it were contained and expressed on the pattern, for instance, of the Jews’ cursing Babylon – ‘Blessed shall he be that taketh thy children and throweth them against the stones’ – or the extremes of the Puritan witch-burners.

In Malta in 1565 there was a notable confrontation. The Muslims were besieging the island and they captured and killed some of the Christian Knights of St John. Suleyman the Magnificent beheaded them and floated them across the harbour on crosses. The Grand Master of the Knights of St John, Jean Parisot de la Valette, cut off the heads of many Turkish prisoners and fired them back at the enemy like cannon balls. Whatever would the General Synod say! Six years after this, 197 ships of the Muslim fleet were destroyed by Don John of Austria at Lepanto and the Muslim insurgency was diminished. It was at the height of the Reformation, yet Catholics and Protestants were briefly united in thanksgiving for what was definitely seen as a marvellous deliverance.Islam is a militant faith. From the start, Muslims believed in expansion by conquest. Efraim Karsh’s recent book Islamic Imperialism describes this policy in detail and he quotes the Founder Mohammad: ‘Fight all men until they say there is no God but Allah’. As Charles Moore has pointed out, Osama bin Laden quoted those words immediately after the attacks on the twin towers. The British press and the BBC continually upbraid European nations for their history of conquest and ‘imperialism’ but make no criticism of Islamic imperialism. While the slave trade, along with ‘Hitler’, is a favourite topic in schools’ history syllabus, the fact that the biggest slave traders of all were the Muslims and that their operations were brought to an end by the British navy is rarely mentioned – British colonial rule replaced the Muslim slave trade in Africa. Heathen Africans counted as less than human for the Muslims. Muslims are bad minorities in any country, continuing their violence against Hindus in India and Buddhists in Thailand.”

O artigo integral encontra–se aqui

(VI) - Conclusões. A soma da extrema-esquerda com extrema-direita

Utilizando as propriedade da matemática política a sua soma resulta em ... "Extremismo ao Centro", ou coisa do género. Mas os géneros hoje, já não funcionam. Vejamos. Onde convivem os extremos? Só um pequeno exercício de alguma paródia e caricatura mas ainda assim:

- Iluminismo com Império Civilizador
- Internacionalismo Humanista com Unilateralismo Preventivo
- Revolução endógena com Militarismo exógeno
- Direitos Sociais com Xenofobia
- Libertação com Messiânico
- Igualdade com Securitarismo
- Secularismo com Sionismo
- Social Democracia com Capitalismo de Estado
- Interesses colectivos com Interesses Particulares
- A Força das Ideias com as Ideias da Força
- Leis de excepção com a excepção nas Lei
- Oposiçao só pode ser Extrema-Direita com Oposiçao só pode ser Extrema-Esquerda
- O Povo com os Lideres Estatistas
- Terrorismo com Freedom Fighters
- Mudança de Regime com Guerras sem Declaração
- Pacifismo do outros com Anti-Pacifismo dos próprios
- Eternal Peace com (with) Eternal War

Tudo isto misturado acaba por caracterizar pessoas de trato amável, bem intencionadas, aparentemente amenas e com senso, capazes de com a maior da tranquilidade e voz baixa e serena defender o maior programa de arrojo e ambição de revolução social/política e/ou ataque ou agressividade militar, que pouco tempo atrás poderia indiciar Extrema-Esquerda ou Extrema-Direita. Not anymore.

(V)

"Sugerir que Taylor não podia ser germanófobo porque se dedicou ao estudo dos seus queridos Habsburgos indica desconhecimento dos usos académicos no mundo anglófono. Os britânicos cultos sempre fizeram uma rigorosa distinção entre germânicos e austríacos, tal como a fazem os austriacos eles próprios."

Saiba que isso é de conhecimento geral. Um dos problemas da "WWI" foi a destruição dos Habsburgs e a criação de países com populações que sem a identificação austriaca só podiam vir a querer ser alemães (daí que se os Checos, desde o início não tivessem contido população alemã - e nem os polacos já agora - as oportunidades do nazismo teriam bem menores).

O problema é acusar Taylor de Germanofobia como se isso fosse um problema tão grave que teria concordado com Churchill em recomendar o bombardeamento de populações civis como norma, não só antes de Hitler o fazer, e não só já depois com a derrota alemã já marcada a prazo, como já o tinha feito antes do final de Grande Guerra - a qual acabou a tempo de não ter sido posto em prática.

Taylor, pelo que percebo, primeiro defendeu todas as hipóteses de paz, denunciou "Muniche" imediatamente aconselhando a uma aliança com a URSS (creio que isso prova da sua clareza tática - foi o que acabou por acontecer). Em 1961, como historiador, reflecte sobre como "in the end", o "appeasement" forneceu o tempo para o rearmamento.

Claro que, atrevendo-se a afirmar claramente (creio que isso é hoje pacífico) coisas como os números de Churchill sobre a aviação alemã (e outros) estavam errados e que os seus opositores é que tinham razão (hoje a mitologia reinante é ao contrário, Churchill é a raposa esperta e os outros todos, grandes parvos) torna-se uma presa fácil. É sempre mais fácil aderirmos aos discursos dos grandes "Líderes" ("we will fight them on the beach..." - por acaso, um plágio de um francês dito na última ofensiva na Grande Guerra) e não questionar a sua infinita "wisdom". No fim, desastrosa. Os Polacos que o digam.

(IV)

"Por isso acho que, tal como no caso de AJP Taylor, seria proveitoso para o esclarecimento de todos, referir outras fontes do pensamento político de CN, tais como Patrick Buchanan, Lew Rockwell, Hans Herman Hoppe, Justin Raimundo e outros heterodoxos da “Far Right” americana que andam a enganar alguns liberais. Razão: a estranha coincidência do pensamento dessas figuras (e aparentemente de CN) tanto com o pensamento da extrema esquerda como o da exrema direita. Certos sectores do palaeo-conservadorismo americano constituem realmente, como diz Tom Palmer do Cato Institute, um “fever swamp”, um pàntano febril, para os não-americanos ingénuos que nunca sonharam com a existência de tais fantasistas."

Aqui não tenho problemas mesmo nenhuns. Primeiro, não existe nada de “Far Right” americana, a não ser que considere o mote "anti-state, anti-war, pro-market" como "Far". Acho que sabe ou devia saber que no conjunto, limitam-se a ser "principle libertarians ", consistentes, que não fazem compromissos com a crescente centralização e militarismo que caracteriza a transformação de uma república num império.

Pode analisar aqui as suas conferências audio (também existem algmas em artigos online )de análise sobre...fascismo: "The Economics of Fascism" (Via Mises Isstitute). E se quiser, pode mostrar como prova de extrema-esquerda:

They Saw it Coming: The 19th-Century Libertarian Critique of Fascism
The Keynesian and Chicago Schools' Early Infatuation with Fascism The Right and the 'Fuhrerprinzip' Why Nazism Was Socialism and Why Socialism is Totalitarian The Dynamics of Fascism: Variations on a Theme by Mises Socialism and Fascism: A Political-Economic Spectrum Analysis
The Austrians on Fascism: Hayek, Mises, and Roepke
Thoughts on Fascism
Quasi-Corporatism: America's Home-grown Fascism
Fascism, Anti-Fascism, and the Welfare State
The New Vampire Economy: Banks and the Socialization of Investment
Mises.org vs. The State
The Cry for Security
The Economic Model of the Fascist State
The Business Class vs. The Free Market: Episodes from History

PS: Depois, nem sequer Pat Buchanan pode ser considerado de "Far", pelo menos no sentido europeu. O excepcionalismo americano torna-se também visível quando os seus conservadores tradicionalistas (paleos e outros) defendem acérrimamente o espírito da sua Constituição, promovendo a "republic not an empire" - pode isto ser "far right"? Pode, para quem veio da extrema-esquerda e gosta de chamar fassista a tudo o mexe só porque mexe.

Ou então, falemos de Justin Raimundo (um libertarian rothbadiano por acaso homosexual - como Tom Palmer- e amigo de Pat Buchanan), e fazer prova de extrema-direita:

* Defend Pope Benedict XVI The Catholic Church is an enemy of the war party, says Justin Raimondo.
*He is also the author of Reclaiming the American Right: The Lost Legacy of the Conservative Movement (with an Introduction by Patrick J. Buchanan), (Center for Libertarian Studies, 1993),
* He is a contributing editor for The American Conservative, the Ludwig von Mises Institute, and writes frequently for Chronicles: A Magazine of American Culture.

Ou consultar as várias colecções de temas no www.lewrockwell.com:

Gun Rights
Christianity and State
Homeschooling
Peace
Neoconservativism

Claro que no fim, o que irrita muitos é que critiquem Roosevelt, como Truman, como Bush, como Churchill, como Woodrow Wilson, como Lincoln e todos os estatistas que como é próprio do estatismo, não só preconizam a nossa dependência, como seres indefesos, do "big brother", como alimentaram o "brother" com os seus "bigs" erros.

(III)

"Estas também, tal como o ódio a Bush, são mesmo obsessões da esquerda. Não estou a insinuar nada. Estou a afirmar, sem receio de contradicção, que grande parte das atitudes políticas de CN não são atitudes de um liberal, mas sim atitudes da Extrema Esquerda. Falo das atitudes políticas e não das económicas. Assim entende-se as suas simpatias por AJP Taylor."

Lamento, mas aqui tenho de ser mesmo claro. Quem aplica instrumentos da extrema-esquerda às relaçoes internacionais são os neo-conservadores. Não é uma insinuação, é um facto objectivo. Mas também existem elementos de direita do tipo, pelo Império civilizador, confiança no uso da força total aplicada como exemplo, e de menorização dos danos colaterais. O apelo à "Vitória Total" (ninguém se incomoda com esses apelos feitos por Bush? E a "Vitória Total" - algo que nunca a tradição advogava como critério para pôr fim a guerras - na WII foi a causa directa de entregar o Leste a Estaline e a Ásia à China ). O apelo do "Lider", o "Decider", "Commandant in Chief".

Combato tudo isso e sinto-me mais Liberal.

Quanto a AJP Taylor, vai-me desculpar, quem não o gostar de ler é porque não gosta mesmo nada de ler história.


"McCarthyismo"

Tudo bem. Até simpatizo com a figura, que tem algo de trágica. A verdade é que se veio a confirmar os piores receios - a administração de Roosevelt tinha até mais comunistas do que se pensava. Era um populista com a razão do seu lado e métodos, que no final, não representaram problemas de maior. Roosevelt devolveu os prisioneiros a Estaline. Isso sim foi um crime. Truman lançou 2 bombas atómicas. Isso sim foi um crime.

"Como é para mim relevante que Taylor até o fim da vida simpatizou com a URSS e considerou Lenine o seu principal heroi."

Sinceramente, tendo passado a crítico de Estaline, a sua "simpatia" é mais de realismo à esquerda. Quanto a Lenine, este morreu cedo na Revolução. Taylor era orgulhosamente britânico e a sua história inglesa (pubicada depois do controvérsio "origens da WWII" foi um éxito de público e de crítica), nao lhe noto sequer os tiques do "Labour"ismo dos anos 50 e 60.

(II)

"Aliás outras obsessões são Churchill, Thatcher e o “erro” de classificar os terroristas islâmicos como islamo-fascistas. Estas também, tal como o ódio a Bush, são mesmo obsessões da esquerda. Não estou a insinuar nada. Estou a afirmar, sem receio de contradicção, que grande parte das atitudes políticas de CN não são atitudes de um liberal, mas sim atitudes da Extrema Esquerda. Falo das atitudes políticas e não das económicas. Assim entende-se as suas simpatias por AJP Taylor."

Agora, pergunto-me porque possa ser errado encontrar explicações para tão grandes desastres como foi todo o século 20. Churchill foi actor de um processo que resultou no fim de uma ordem monárquica, cristã e bem mais civilizada do que o que a iria substituir - o fascismo e comunismo - e depois culmina a sua "vigência" com a queda do seu Império e a emergência do domínio de Estaline no que saiu da Segunda Guerra - ela própria ligada ao defecho da Primeira.

Não seria óptimo concluirmos que os males da nossa história se devem aos erros que saiem de qualquer centralização do poder e que estes poderiam ter sido evitados antes, mas mais importante, a evitar no futuro?

É preciso inquirir, os actores, as decisões, os acontecimentos. Chame-lhe revisionismo liberal. Se existem autores de Esquerda como Taylor, u recentemente como Niall Ferguson "The Pity of War " (de direita creio, pró-império britânico), que fazendo história, de uma forma ou outra, questionam os acontecimentos (não foi o intervencionismo de Wilson um desastre? os Britânicos no interesse de eles próprios, não deviam ter entrado na "WWI"? etc, etc) acabam a arranjar argumentos pelo não-intervencionismo militar e político, óptimo. Se tivermos a certeza disso - e aqui está o interesse da discussão - podemos ter a certeza que como Liberais, estamos a consolidar de forma consistente a nossa própria filosofia.

É preciso ter a noção que os principios da neutralidade e do direito internacional, são conceitos que saiem da experiência europeia, monárquica, prudente e conservadora.

Hoje, isso parece ser uma invenção de extremistas. É o estado das coisas. dos dias de hoje. A teoria das alianças cai por terra quando nos apercebemos que a sua aplicação, potencia que qualquer conflito local se transforme numa guerra mundial - precisamente o drama da Grande Guerra.

Re: (I) "WHEN THE POT CALLS THE KETTLE BLACK: A response from the kettle"

"Como a metodologia de debate público tem muito a ver com comportamentos e princípios liberais eu estou convencida, ao contrário de CN, que é precisamente este blog um dos lugares mais aprópriados onde discutir este assunto..Desde das minhas primeiras participações neste maravilhoso mundo do Blog, decidi não ceder às provocações de determinado tipo de comentárista."

Referi de facto isso apenas porque é provável que a missão do Blog (ainda não em vigor) específico da Causa Liberal venha a assumir outro carácter, tendo em conta que este tipo de debate - creio que, de enorme interesse - pode ser realizado nos diversos blogs apontados já neste momento no Site.

"Não aceito debates que principiam com insinuações, argumentos ad hominem, falácias genéticas, a falácia do homem de palha e outros truques de má fé. Digo má fé porque, naturalmente, não posso atribuí-los à ignorância. Quando CN screveu o seu primeiro comentário sobre palavras minhas entrou logo a matar (e sem me conhecer de parte nenhuma) com o seu habitual sarcasmo e a presunçao (falsa)que eu tinha determinadas posições que ele confessadamente detesta. Apesar do meu silêncio persistiu no mesmo estilo. E assim continua até hoje alegando ou insinuando que eu apoio os chamados neo-conservadores, que Churchill e Thatcher são os meus herois e por aí adiante."

Bom , acho que mereço este puxão de orelhas por isso enfio a carapuça. É bem provável que, a bem do debate e até a bem da defesa das minhas próprias ideias, tenha falhado na responsablidade de conduzir a troca de ideias com outro cuidado.

"Os “neo-conservadores” parecem ser uma verdadeira obsessão de CN. Saberá ele que a própria expressão é, de facto, uma invenção da esquerda e um dos epítetos favoritos dessa gente? "

Acredito que com o tempo a não existência ou irrelevância de neo-conservadores venha a ser uma realidade, embora qualquer grupo que defenda qualquer tipo de intervencionismo tem a grande probabilidade de se tornar um favorito da corte do estatismo e colher com isso os benefícios próprios.

Difícil mesmo (com se prova todos os dias) é defender o não-intervencionismo. Mas essa é a sina Liberal, aplicá-la às relações internacionais torna-se especialmente difícil. Como disse Goering já em Nuremberga, apelar à Segurança, denunciar os pacifistas, clamar pelo perigo interno e externo, está ao alcance de qualquer regime, incluindo o Democrático.

A origem do pensamento neo-conservador na extrema-esquerda é mais do que conhecida, mas isso por si não seria suficiente para uma desconfiança por parte de espíritos abertos, as pessoas mudam e não chega dizer que Taylor foi do partido comunista porque saiu dele bem cedo.

E confundir o seu realismo com a sua ideologia é ...confundir. É engraçado, como pode Taylor ser acusado de achar que a URSS deveria ser o aliado preferencial quando foi isto mesmo que Churchill e Roosevelt fizeram. Se os ingleses e franceses (como tentaram mas timidamente, sem consistência e tarde demais) tivessem feito essa aliança após 1935-36, Hitler não teria tido o arrojo posterior. Portanto, é um ponto de vista perfeitamente aceitável.

O meu ponto de vista é outro, mas também aceitável, se não tivessem declarado Guerra por causa da recusa da Polónia em negociar sobre Danzig, a sequência de acontecimentos podia ter determinado um confronto auto-destrutivo entre Hitler e Estaline. Defender este ponto de vista e ser acusado de arranjar argumentos à exterma-esquerda e extrema-direita é apenas mias uma confusão.

Ninguém, mas mesmo ninguém pode acusar-me de defender ideias não consistentes com o Liberalismo. O não-intervencionismo económico, militar e político fora do território de soberania só, e friso bem, SÓ pode ser o princípio geral na aplicação (oo tentativa) da filosofia liberal às Relações Internacionais. Podemos é discutir excepções, equacionar males menores e trazer outros dados ao assunto.

Mas se assim não for, não estamos a falar de "liberalismo" mas de prováveis ideias de certo extremismo à esquerda (a revolução iluminista, etc) ou direita (pró-império, etc).

Portanto, não sou eu que tenho de justificar o meu Liberalismo. Mas sim quem crónicamente, de uma forma ou outra, advoga grandes operações, militares, políticas, e económicas em todo o local do planeta. Adenda: E não advogando, é pelo menos receptivo ou resultando em algo similar.

Como vê, tomo muito a sério o meu Liberalismo, a única filosofia que consegue juntar a ambição de desenvolvimento, liberdade, ordem, justiça, diversidade, convivência. Na verdade, será de esperar que junta elementos do melhor da esquerda e direita, recusando o pior da esquerda e direita.

Não a vejo como um centro (cruzes credo...), mas sim como uma nova dimensão. Existe o apelo à coerção autoritária ou colectiva ("para nosso próprio bem") versus apelar aos direitos naturais (o bem e o mal convivem dentro de cada um de nós, mas a salvação é possível porque somos seres morais com capacidade de escolher o bem).

Quanto aos neo-conservadores, o problema é que, migrando para a direita trouxeram o seu sistema de análise.

O optimismo da extrema-esquerda na mudança social que vai ao ponto do absurdo de querer transformar a existência tribal e convivência com o deserto em repúblicas federais multi-étnicas.

Também trouxeram da extrema-esquerda o gosto pelo militarismo revolucionário muito consistente com o seu passado de Trotsky, o fundador do exército vermelho, incluindo o seu internacionalismo. Aqui, existe também algo de Napoleónico, "pegar" na defesa nacional transformando-a num instrumento de imposição de um nova ordem e libertação para o próprio bem dos outros.

Como se vê, a extrema-esquerda fez consideráveis conquistas no pensamento Conservador. Fico chateado, "com certeza" que fico chateado. Pode querer.

(continua)

Causa Liberal

Causa Liberal

WHEN THE POT CALLS THE KETTLE BLACK: A response from the kettle

Como a metodologia de debate público tem muito a ver com comportamentos e princípios liberais eu estou convencida, ao contrário de CN, que é precisamente este blog um dos lugares mais aprópriados onde discutir este assunto..

Desde das minhas primeiras participações neste maravilhoso mundo do Blog, decidi não ceder às provocações de determinado tipo de comentárista. Não aceito debates que principiam com insinuações, argumentos ad hominem, falácias genéticas, a falácia do homem de palha e outros truques de má fé. Digo má fé porque, naturalmente, não posso atribuí-los à ignorância. Quando CN screveu o seu primeiro comentário sobre palavras minhas entrou logo a matar (e sem me conhecer de parte nenhuma) com o seu habitual sarcasmo e a presunçao (falsa)que eu tinha determinadas posições que ele confessadamente detesta. Apesar do meu silêncio persistiu no mesmo estilo. E assim continua até hoje alegando ou insinuando que eu apoio os chamados neo-conservadores, que Churchill e Thatcher são os meus herois e por aí adiante. Os “neo-conservadores” parecem ser uma verdadeira obsessão de CN. Saberá ele que a própria expressão é, de facto, uma invenção da esquerda e um dos epítetos favoritos dessa gente? Aliás outras obsessões são Churchill, Thatcher e o “erro” de classificar os terroristas islâmicos como islamo-fascistas. Estas também, tal como o ódio a Bush, são mesmo obsessões da esquerda. Não estou a insinuar nada. Estou a afirmar, sem receio de contradicção, que grande parte das atitudes políticas de CN não são atitudes de um liberal, mas sim atitudes da Extrema Esquerda. Falo das atitudes políticas e não das económicas. Assim entende-se as suas simpatias por AJP Taylor.

Resolvi a semana passada quebrar o meu silêncio e escrever sobre o Taylor por julgar necessário explicar aos portugueses (tantas vezes ludibriados pelo brilho falso da imprensa estrangeira) quem foi essa figura que eu conheci de nome e reputação quase toda a minha vida adulta. Agradeço ao CN por ter pegado no assunto. Talvez agora, devido também aos extractos da Wikipedia (seleccionados por ele) ao menos algunmas pessoas irão ler o artigo completo da Wiki. E agora algumas palavras que julgo pertinentes sobre metodologia.

1º McCarthyismo. Embora entendido como insulto, eu pessoalmente não o considero como tal. O senador americano tinha modos desagradáveis, mas o facto é que a grande maioria das pessoas chamadas a testemunhar perante a sua comissão eram, sim, comunistas. Este facto é agora reconhecido por todos menos a esquerda. Até chegei a conhecer pessoalmente alguns deles. É evidente que para um liberal a própria ideia de uma comissão de inquerito sobre as opiniões políticas das pessoas é repugnante. Todavia temos que recordar a época: o começo da Guerra Fria e o desmascaramento dos espiões atómicos soviéticos. Tal como hoje com o problema actual do terrorismo. temos que nos lembrar que o primeiro dever do Estado é o de proteger os cidadãos. Há males menores. Coisa que alguns libertários e todos os pacifistas esquecem.
2. Falácias de raciocínio. Talvez não seja relevante referir as suas posiçóes políticas para avaliar as competências de um biólogo, um médico ou outro perito em ciências naturais. No caso de um especialista em História Política é certamente relevante conhecer as suas posições políticas. Quando estudo a história social e política é para mim importante saber que tanto Eric Hiobsbawm quanto Christopher Hill foram membros activos do PC britânico. Como é para mim relevante que Taylor até o fim da vida simpatizou com a URSS e considerou Lenine o seu principal heroi. Aliás as atitudes de Taylor referidas no meu artigo não são da sua vida particular. Pelo contrário, foram posições públicas, posições que ele nunca escondeu e que sempre invocou, até o ponto de alguns suspeitarem que ele assim fez com o intúito de aumentar a sua notoriedade e, por conseguinte, os seus rendimentos como publicista. Se eu tivesse repetido essas suspeitas sem mais nem menos, entáo aí sim, estaria a fzer um processo de intenções e usar de um argumento ad hominem. Agora estou a repeti-los não por assim pensar, mas para exemplificar o que seria realmente um argumento ad hominem.

Assim, (atenção também LAS) eu não estava a praticar nem o mcarthyismo, nem utilizar argumentos ad hominem quando chamei atenção para as posições políticas de Taylor, relevantes repito, para qualquer avaliação das suas interpretaçóes históricas.

Finalmente, acho importante em qualquer discussão política conhecer as fontes de informação dos nossos interlocutores. Se eu fosse convidada a discutir, por exemplo, os argumento económicos contra o socialismo acharia relevante que soubesse à partida que o meu interlocutor apoiava as ideias expressas em Das Kapital. Assim daria o relevo apropriado a determinados pontos. Até aí tudo bem. Se soubesse que o interlocutor também costumava usar os conhecidos truques de retórica em vez de argumentos substantivos então aí recusava a minha participação.

Assim aconteceu com o caso de CN. Tenho idade, experiência e leitura suficiente para reconhecer as fontes dos seus argumentos. Também idade e experiência suficientes para não querer gastar tempo com refutações e contra-refutações fúteis. Por princípio não costumo usar a arma da insinuação nem de argumentar a respeito de milhentas citações de autores que todos podemos facilmente consultar.

Por isso acho que, tal como no caso de AJP Taylor, seria proveitoso para o esclarecimento de todos, referir outras fontes do pensamento político de CN, tais como Patrick Buchanan, Lew Rockwell, Hans Herman Hoppe, Justin Raimundo e outros heterodoxos da “Far Right” americana que andam a enganar alguns liberais. Razão: a estranha coincidência do pensamento dessas figuras (e aparentemente de CN) tanto com o pensamento da extrema esquerda como o da exrema direita. Certos sectores do palaeo-conservadorismo americano constituem realmente, como diz Tom Palmer do Cato Institute, um “fever swamp”, um pàntano febril, para os não-americanos ingénuos que nunca sonharam com a existência de tais fantasistas.


Para a elucidação de CN e ajudá-lo a evitar mais um desparate, só um último reparo.. Sugerir que Taylor não podia ser germanófobo porque se dedicou ao estudo dos seus queridos Habsburgos indica desconhecimento dos usos académicos no mundo anglófono. Os britânicos cultos sempre fizeram uma rigorosa distinção entre germânicos e austríacos, tal como a fazem os austriacos eles próprios. Toda a gente no Reino Unido sabe que nem todos que falam alemão são alemães: alguns são suiços, outros austriacos. È como tentar provar que alguém não podia detestar os brasileiros porque gosta dos portugueses. Igualmente para os ingleses e os americanos. Aliás, Taylor fez toda uma teorização sobre o assunto e a natureza inerentemente bélica das antigas tribos alemãs, atitude que lhe custou muitas amizades na universidade.

Não pensem os meus críticos que é agora que vou ceder às provocações e entrar numa discussão sobre os desméritos intelectuais dos habitantes do tal pântano. Não tenho nem tempo nem disposição para isso. O que irei fazer, dentro em breve, é indicar alguns locais na Internet de fácil acesso. Assim poderão os interessados tirar as suas próprias conclusões.

segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

Re. A.J.P. TAYLOR: UM HISTORIADOR POUCO RECOMENDÁVEL

Não me parece que aqui seja o local para uma disputa sobre este assunto, por isso respondo aqui.

domingo, 17 de Setembro de 2006

PORTOLANI

PORTOLANI

A.J.P. TAYLOR: UM HISTORIADOR POUCO RECOMENDÁVEL

Em recentes posts na Causa Liberal, e também em Wars 4 Status Quo, Carlos Novais tem referido o nome de A.J.P.Taylor como um “conceituado historiador” e por conseguinte, entende-se, autoridade credenciada relativa a algumas posições controversas. Na realidade Taylor, por causa da sua dedicação às pesquisas nos arquivos oficiais goza de alguma respeitabilidade académica unicamente enquanto especialista em documentos diplomáticos. Como historiador não se interessava senão pelo que vem escrito nos documentos. A opinião generalizada é que o seu volume na Oxford History of England 1914-45 foi um tour de force nesse domínio. “He revelled in the unforeseen connection…and in certain paradoxes”. But “ideas, intellectual movements, were of no importance. For him (as for Hobsbawm) high art was an irrelevance because it had ceased to be popular. He declared that Charlie Chaplin, not Virginia Woolf, was the most important artist of the first half of the century. Nor did he mention the triumphs of the scientists and technologists.” (Noel Annan no seu livro Our Age).

De facto Taylor era o protótipo do professor inglês excêntrico que se deliciava em chocar os colegas e também o público. Oxford nunca lhe concedeu a cadeira que ele cobiçava. Continuou a leccionar, adorado pelos alunos, mas na última parte da sua vida dedicou mais energias à vida de publicista na imprensa e na rádio onde as suas posições populistas tornaram-no bem conhecido de um vasto público.
Foi sempre um dedicado esquerdista. Os pais foram ambos comunistas activos e a mãe trabalhou na Internacional Comunista. Ele próprio passou dois anos da juventude no Partido Comunista e nunca explicou o que motivou a sua desistência da militância activa. Todavia continuou até o fim da vida no seu apoio indefectível à URSS e insistia sempre que o seu grande heroi era Lenine.

As suas análises idiosincráticas da política internacional foram sempre influenciadas pela sua germanofobia. Tão intenso era o seu ódio aos alemães que tomou parte activa na campanha a favor da expulsão da minória alemá (dois milhões de seres) da Sudetenland (Checoslovákia).

A campanha teve êxito e os sudetas foram deportados das suas terras ancestrais numa limpeza étnica que logo manchou a Checoslovákia mesmo antes da descida da cortina de ferro.

Durante os anos ‘30 a política de Taylor era de zigue-zague, mas sempre a favor da URSS. Depois da Segunda Guerra o seu revisionismo foi precursor do de David Irving e outros quem mais tarde negavam o holocausto embora Taylor não foi tão longe. O seu ódio aos alemães não o impedia de considerar Hitler um estadista cujo principal defeito era falta de previsão. Durante a Guerra Fria, Taylor foi um fervoroso anti-americano, apelando para o desarmamento nuclear e, mais tarde, condenando a política estrangeira de Reagan.

A postura que lhe granjeou uma notoriedade duradoira foi a sua atitude quanto a um membro proeminente da rede de espiões pró-soviéticos dirigida por Kim Philby. Tratava-se de Sir Anthony Blunt, um especialistaa em História de Arte e “Keeper of the Queen’s Pictures” Quando este foi desmascarado, desapossado das suas multiplas honras e obrigado a demitir-se da British Academy, Taylor demitiu-se voluntariamente por solidariedade com o amigo dos soviéticos.

A trajectória de Taylor como campião de causas impopulares encontra-se amplamente documentada na Wikipedia onde os cibernautas podem facilmente confirmar que Alan Percivale Taylor realmente não merece menção como autoridade séria sobre a história política contemporânea.

sexta-feira, 15 de Setembro de 2006

PORTOLANI

PORTOLANI

Imigração

Roger Scruton na New Criterion, analisa a política britânica desde o famigerado discurso de Enoch Powell sobre as implicações da imigração para o Reino Unido de centenas de milhares de gente do ex-império. Há quarenta anos este Tory destruiu uma carreira política brilhante porque falou antes do tempo e disse o que ninguém na classe política queria ouvir.
Mais...

http://www.newcriterion.com/archives/25/09/have-spoken/

quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Novidades no site da Causa Liberal

Segurança Social: "Em busca da sustentabilidade?" e "O mito dos custos de transição."
Por André Azevedo Alves.

"A Defesa Ética do Mercado" - Nota sobre The Ethics of the Market, de John Meadowcroft.
Por André Azevedo Alves.

quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

O problemas das novas morais

...é que como qualquer moral, pode-se tornar totalitária.

A propósito da combate ao Junk Food: Scots eating even less fruit and veg despite health drive: "So pervasive is poor diet that reliance on individual choice as the prime ideology in shaping food supply is no longer an adequate policy or ideology."

Quais as novas morais? A ecologia, a criança (o ataque à soberania dos pais e família), a saúde individual (o tabaco, junk food, etc), a do "bom cidadão" (qualquer tipo de afronta ao Estado torna-se o pior dos crimes e imoralidades - impostos, etc).

Os argumentos liberais contra a Imigração Livre

Parece que o tema ganhou uma nova relevância (e aceitação?) no pensamento liberal (difícil não lembrar a dificuldade de defender a tese, ainda não há muito tempo).

No Liberty Foundation.

The Fallacy of Open Immigration, by Stephen Cox
To Filter the People, by Bruce Ramsey

Via Stephen Kinsella, que também nota:

"I will also say that the latest issue of The New Individualist also has an eloquent Objectivist defense of fairly open borders. But Cox's piece is very well done and though provoking. It would be interesting to see the response by honest libertarian open-borders advocates to his many fine points. For more on this topic: Hoppe's writings on immigration; and my A Simple Libertarian Argument Against Unrestricted Immigration and Open Borders (and followup)."

terça-feira, 12 de Setembro de 2006

Portugal no Economic Freedom of the World 2006

Foi divulgado há poucos dias o Economic Freedom of the World: 2006 Annual Report, coordenado pelo Frasier Institute e associado à Economic Freedom Network, que reúne instituições de mais de 70 países (incluindo a Causa Liberal no que diz respeito a Portugal).

Os dados publicados na edição de 2006 referem-se a 2004 e justificariam uma análise mais detalhada do que a que posso fazer. No que diz respeito a Portugal, a evolução de 2003 para 2004 foi bastante positiva com uma créscimo de uma décima na classificação global e uma significativa subida da 25ª para a 20ª posição. A melhoria deveu-se essencialmente à pontuação obtida na sub.categoria referente à regulação do mercado de trabalho, onde Portugal subiu entre 2003 e 2004 dos 4,3 pontos para os 5,9. Toda a informação do relatório final está disponível na internet e já seria tempo de que em Portugal, à semelhança do que já acontece em muitos outros países e organizações internacionais, se prestasse a devida atenção a este tipo de indicadores.

Economic Freedom Promotes Growth While Foreign Aid Fails Developing Countries

Economic freedom has a greater impact than foreign aid in helping people in poor nations escape poverty, according to the Economic Freedom of the World: 2006 Annual Report, released today by The Fraser Institute.

In new research published in this year’s report economist William Easterly of New York University compares the impact of economic freedom and foreign aid on economic growth in the poorest nations.

“The demand for foreign aid is typically made in the absence of any empirical evidence that it leads to benefits for recipient nations and without asking whether there are better approaches to poverty reduction for the international community to support,” said co-author of the report, James Gwartney, Professor of Economics at Florida State University. “What the research in this edition of Economic Freedom of the World suggests is that economic freedom, rather than foreign aid, does have a powerful positive impact and is a better approach.”

Easterly demonstrates that foreign aid has no positive impact on economic growth in the poorest nations. His research shows that economic freedom has a strong and positive impact on prosperity in general and on helping lift nations out of poverty.

Once economic freedom is taken into account, poor nations, far from being caught in a perpetual cycle of poverty, grow faster than rich nations.

“A key component of the success created by economic freedom is the ability to experiment, find economically successful areas of production, and prune those that do not succeed so that resources may be transferred to where they are most productive,” said Fred McMahon, The Fraser Institute’s director of trade and globalization studies.

(...)

International rankings

In this year’s index, Hong Kong retains the highest rating for economic freedom, 8.7 out of 10, closely followed by Singapore at 8.5. New Zealand, Switzerland, and the United States tied for third with ratings of 8.2.

The United Kingdom and Ireland are tied for the 6th place. Canada receives a score of 8.0 and ranks 8th. Iceland and Luxembourg are tied for 9th place.

The rankings of other large economies are Germany, 17; Japan, 19; France, 24; Italy, 45; Mexico, 60; India, 53; China, 95; Brazil, 88; and Russia, 102.

Among those nations that have made substantial gains in economic freedom since 1985 are Hungary, Iceland, El Salvador, Zambia, Poland, Bolivia, Israel, Ghana, Uganda, Peru, and Nicaragua—though some of these began at very low levels or have experienced ups and downs over the period. Among those nations that have registered significant losses in economic freedom since 1985 are Myanmar, Venezuela, and Zimbabwe.

Most of the lowest-ranking nations are African, Latin American, or former communist states. Botswana’s ranking of 35 is the best among continental sub-Saharan African nations. Chile, ranked at 20, has the best record in Latin America.

The bottom nations were the Central African Republic, Rwanda, Burundi, Algeria, Guinea-Bissau, Venezuela, Democratic Republic of Congo, Republic of Congo, Myanmar, and Zimbabwe. However, a number of other nations for which data are not available, such as North Korea and Cuba, may have even less economic freedom.

Economic freedom on the rise

The report reveals that economic freedom levels have been rising around the world over the last quarter century, and that’s good news for people, particularly for the poorest of the poor.

Among the key findings:

• Nations in the top quartile (one-fourth) in economic freedom have an average per capita GDP of US$24,402, compared to US$2,998 for those nations in the bottom quartile.

• The top quartile has an average per capita economic growth rate of 2.1 percent, compared to negative 0.2 percent for the bottom quartile.

• In nations of the top quartile, the average income of the poorest 10 percent of the population is US$6,519, compared to $826 for those in the bottom quartile.

• Unemployment in the top quartile averages 5.9 percent, compared to 12.7 percent in the bottom quartile.

• Life expectancy is 77.8 years in the top quartile compared to 55.0 years in the bottom quartile.

• In nations of the top quartile, only 0.3 percent of children are in the labor force, compared to 19.3 percent in the least economically free nations.

• Nations in the top quartile of economic freedom have an average score of 1.8 for political rights on a scale of 1 to 7, where 1 marks the highest level of freedom, and 7 the lowest level. The bottom quartile has an average score of 4.6.

About the Economic Freedom Index

Economic Freedom of the World measures the degree to which the policies and institutions of countries are supportive of economic freedom.

The cornerstones of economic freedom are personal choice, voluntary exchange, freedom to compete, and security of privately owned property.

This is the 10th edition of Economic Freedom of the World. This year’s publication ranks 130 nations for 2004, the most recent year for which data are available. The report also updates data in earlier reports in instances where data have been revised.

Thirty-eight components and sub-components are used to construct a summary index and to measure the degree of economic freedom in five areas: (1) size of government; (2) legal structure and protection of property rights; (3) access to sound money; (4) international exchange; and (5) regulation.

The annual report is published in conjunction with the Economic Freedom Network, a group of independent research and educational institutes in over 70 nations.